Tamanho da letra: A+  |  A-
 
  EM 18 ANOS CAPITAL COM MENOR TARIFA DE ÁGIA

 
plano diretor_campo grande_4
O reajuste da tarifa de água será  o menor dos últimos 18 anos. A Prefeitura de Campo Grande estabeleceu para o próximo ano apenas a correção inflacionária, de 1,83%, com base no contrato firmado com a Águas Guariroba.
O reajuste tem como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A concessionária chegou a solicitar um reajuste maior, alegando que teve perdas no último ano, mas o prefeito Marquinhos Trad não concedeu.
“Nós estamos colocando em prática nosso compromisso de fazer justiça social. Tudo o que estiver ao nosso alcance será feito para que a população não seja onerada. Na nossa administração, a população só pagará o que é justo. É o menor reajuste dos últimos 18 anos, conforme estabelecido no contrato com a concessionária”, deTARIFA ÁGUA (4)clarou o prefeito.
Nos últimos 18 anos a tarifa de água tem sido reajustada com índice maior, com casos de até dois aumentos por ano, como aconteceu em 2001, 2002, 2003, 2006, 2014 e 2015. No ano passado, a tarifa subiu 8,47%, em um aumento 462% maior, se comparado ao deste ano, de 1,83%.
Fim da tarifa mínima
O prefeito já tomou uma medida visando a justiça social e em benefício da população, ao acabar com a taxa mínima de consumo da conta de água. Por meio de um decreto, ficou estabelecido que a população mais carente, que utiliza menos que 10 m³ de água por mês, deixa de pagar a tarifa mínima e passa a pagar, progressivamente, exatamente o valor consumido.
Atualmente, 130 mil residências de Campo Grande, o que representa quase 300 mil pessoas, pagam R$ 75,00 de água e esgoto. Estas famílias passarão, no primeiro ano, a pagar R$ 40. A medida reduzirá em 53%, em 2018, e 100%, em 2019, a tarifa mínima.

Inédita em todo o país, a iniciativa da Prefeitura Municipal de Campo Grande, que adotará o decreto como medida juridicamente legal para criar o benefício social, vai contemplar cerca de 130 mil residências na Capital sul-mato-grossense, o que representa quase 300 mil pessoas beneficiadas. O debate sobre o tema percorre mais de 12 anos em inúmeros Estados e municípios brasileiros e sempre foi polêmico, parando no legislativo. 

 
  Nenhum comentário | deixar comentário  
Voltar ›
     
 
 
  Clique aqui para mandar um e-mail!
  A EDUCAÇÃO VEM DOS AVÓS
 
  A SATISFAÇÃO PLENA É ASSUSTADORA
 
  Dor do desejo
 
  FAMÍLIA É PRATO DIFÍCIL DE PREPARAR
 
  A NOBREZA DO SERVIR
 
  Mais Artigos ›  
  CEREJAS DA VIDA
 
  O SENTIMENTO DE SAUDADE
 
  PODER E STATUS
 
  APROVEITA ENQUANTO DURA
 
  Eu não quero ter razão, eu quero é ser feliz!
 
  Mais Crônicas ›  
Sintonia Comunicações Ltda
CNPJ: 005.967.432/0001-90