Campo Grande, 03 de junho de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Amplavisão

Amplavisão, Política • 11 maio, 2020

História & Medos & Pesquisas & Poder


‘VALE TUDO’: Com 3,67% nas pesquisas da ‘Ranking’ (leia no 11º, 12º, 13º tópico) o pré-candidato do MDB Márcio Fernandes tenta atrair o PSDB oferecendo a candidatura de vice prefeita à deputada Rose Modesto. Ela tem outro projeto pessoal, mas não tem o comando da sigla e é experiente para a leitura correta dessa oferta. Já se questiona: a presença de Rose seria suficiente para virar o jogo e zerar essa distância de 42,58% em prol do pré-candidato Marcos Trad (PSD)? A pesquisa registrada na Justiça Eleitoral sob nº 08097/2020, ouvindo 1.200 pessoas entre 28 de abril/05 de maio. 

À PROPÓSITO: Presume-se que o titular da chapa majoritária tenha mais brilho, experiência e prestígio que o candidato a vice. A última vez que o brasileiro votou num candidato a vice foi na eleição presidencial de 1960. João Goulart (PTB) – vice de Teixeira Lott (PSD), venceu Milton Campos (UDN) candidato a vice do vitorioso Jânio Quadros (PTN). Na época a lei permitia o voto em separado. Hoje a figura do vice é comparada aos suplentes ao Senado. Você vota, mas às vezes sem saber quem são eles. 

MODELO: Vemos na mídia o drama de Estados que desobedeceram as orientações da Organização Mundial da Saúde e pagam preço caro. Não é o caso do nosso Governo Estadual, consciente, apegou-se à ciência e tomou medidas eficientes. Além de fechar parques, instituiu 13 controles sanitários nas divisas com outros estados, fechou as fronteiras com Bolívia e Paraguai, além de antecipar os recessos da Rede Estadual de Ensino e da Universidade Estadual. O Secretário da Saúde, Geraldo Resende, tem sido elogiado pela postura, inclusive pelo ex-ministro Luiz H. Mandetta! 

VERDADES ESQUECIDAS: No Brasil Império eram só 14 impostos; hoje 98. Em 1880 éramos a 4ª. economia mundial, a média de crescimento de 8,81%, nossa moeda tinha o mesmo valor do dólar e da libra esterlina. A inflação anual entre 1850/89 era de 1,08%. No Império fomos o país que mais construiu ferrovias (26 mil kms). Em 1840, 92% da população era analfabeta e em 1889 caiu para 56% graças ao incentivo do Império. D.Pedro II doava à entidades 50% de sua dotação anual. Ele falava 23 idiomas; fez empréstimo pessoal num banco europeu e reflorestou o Parque Nacional da Tijuca. Todos negros da Família Real eram alforriados e recebiam salário. 

MAIS VERDADES: D. Pedro II financiou o maestro Carlos Gomes até ele alcançar o sucesso. Foi da princesa Izabel a ideia de construir o ‘Cristo Redentor’. O Imperador tentou em 1848 a abolição dos escravos, mas o parlamento rejeitou. Ele acabou com a ‘Guarda dos Dragões’ por economia, que voltou na República. Ele recebeu em 1887 diplomas honorários de Astronomia e Botânica da Universidade de Cambridge. Nas eleições livres dos EUA, na Filadelphia, D. Pedro II foi votado para presidente por 14 mil pessoas. Ele traduziu do árabe para o português a obra ‘1001 Noites’. Era a favor da imprensa livre, que na época já fazia campanha pela República. Enfim, uma figuraça! Compará-lo com os políticos contemporâneos, convenhamos, uma covardia! Certo? 

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Quer a Rede Estadual de Saúde fazendo cirurgias reparadoras; está em contato direto com a Secretaria da Saúde acompanhando as ações anti coronavírus. Deputado Evander Vendramini (PP): Requereu ao Governo-Agehab a dilação do prazo do pagamento das prestações até dezembro; pediu informações sobre a falta de profissionais da saúde nos presídios de Corumbá. Deputado Neno Razuk (PTB): Sugere o uso de álcool gel nos ônibus do transporte público nos municípios; 18 cidades beneficiadas com sua verba de R$1.210 mil contra o coronavírus. Deputado Gerson Claro (PP): Focado na liberação da ajuda da União ao Estado contra os estragos do Coronavírus. É o elo entre Estado e cidades. 

BONS EXEMPLOS: Num cenário de tantas notícias ruins deparo com a lista dos 10 municípios que melhor remuneram os seus professores. Angélica faz bonito e lidera com salário de R$4.346,82, seguida por Campo Grande (R$4.235,47), Nova Andradina (R$4.174,92), Três Lagoas (R$4.011,86), Sidrolândia (R$ 3.823,62), Eldorado (R$3.597,93), Fátima do Sul (R$3.505,36), Maracaju (R$3.504,04) e Bonito com R$3.482,28. Detalhe: o Governo Estadual com R$4.296,98 é vice líder neste ranking. 

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Barbosinha (DEM): Pede a manutenção do abono salarial aos servidores públicos estaduais; sua verba de R$850 mil beneficia 12 cidades no setor saúde. Deputado Capitão Contar (PSL): Requer a suspensão do aluguel pela Infraer, das lojas do aeroporto da capital pela queda dos voos; aprovado seu projeto proibindo eventos nas escolas promovendo a erotização. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Presidente da Comissão de fiscalização de gastos atento aos encargos devido ao coronavírus; membro da Comissão de Saúde em sintonia com a Secretaria de Saúde. Deputado Lídio Lopes (Solidariedade): resgata promessa de campanha com início do asfalto da MS-386 entre Iguatemi e Japorã (39 kms) pelo Governo Estadual; presidiu sessão semanal da Comissão C.Justiça/Redação. 

SIM OU NÃO? Sobre o suicídio do ator Flávio Migliaccio pergunta-se: a carta (à família) que ele deixou deve ser publicada? Cada cidadão confecciona sua própria fita métrica de valores na vida, mas no caso sua família há de ser respeitada. Além disso, o conteúdo da carta pode estimular pessoas com os mesmos traços de personalidade ou que atravessem fase idêntica. Como disse o ator Lima Duarte – “Migliaccio, eu te entendo…eu não tive coragem…” Enfim, essa discussão sobre ‘abreviar a velhice’ é delicada independentemente de religião e cultura. Como se diz: dói fundo na alma. 

PESQUISA: Na capital 33% usando álcool gel nas mãos; 63% optando por álcool 70; 47% por sabonete nas mãos/rosto; 34,58% limpando objetos com álcool 70; 27,50% lavando mãos com detergente; 25,42% com mascaras/ luvas. Interessante: 93,67% confessando rezar; 56% cuidando da família e pasmem: 26% ‘voltando a falar com a família. E mais: para 33,25% a renda caiu e 21,17% perdeu o emprego. Para 23,33% o trânsito na capital melhorou; o trabalho piorou para 35%. O prefeito Marcos Trad age certo para 68,25% e erra para 21,17%. A Câmara Municipal acertou só para 17,58% e errou para 57,92%. Bolsonaro peca para 56,83% e acerta para 22,92%. 

NÚMEROS da amostra estimulada da ‘Ranking Pesquisas’ para prefeito de Campo Grande: Marcos Trad 46,25% – Capitão Contar 5,08% – Marcio Fernandes 3,67% – S. Harfouche 3,42% – Marcelo Miglioli 2,75% – Dagoberto 1,50% – Tatiana Ujacow 1,42 – Esacheu 1,25% – P. Kemp 0,83% – M. Bluma 0,75% – Paulo Matos 0,50% – Guto Scarpari 0,42% – Wilton Acosta 0,33% – Sergio Murilo 0,25% – Mario Fonseca 0,08% – 31,33% não sabem não responderam. 

FATOR REJEIÇÃO: Na pesquisa ‘Ranking’ que ouviu 1.200 pessoas de todas regiões, entre 28 de Abril e 2 de maio, registro na Justiça Eleitoral sob nº 08097/2020, os resultados são esses: Dagoberto o mais rejeitado com 15,83%, seguido de Pedro Kemp com 8,50% – M. Bluma 7,33% – Marcos Trad 5,42% – C. Contar 4,75% – Esacheu 3,67% – Paulo Matos 2,17% – Mário Fonseca 1,75% – Cris Duarte 1,50% – Marcio Fernandes 1,00% – Guto Scarpari 0,83% – Wilton Acosta 0,75% – Sergio Harfouche 0,67% – Sérgio Murilo 0,58% – Tatiana Ujacow 0,50%. Não sabem/não responderam 38,25%. 

QUESTÕES: Marcos Trad tem 46,25% mas lembro: 31,33% dos entrevistados ainda não escolheram o seu candidato. O pleito distante e a pandemia atual poderá beneficiar o prefeito (hoje as pesquisas dizem sim), mas há vários fatores políticos que não podem ser desprezados. Num eventual 2º turno o adversário conseguiria agregar os demais postulantes derrotados? Nesta hora o prefeito teria mais cacique político para negociar apoios. A tese de que 2º turno é outra eleição é incerta. A distância que separa o prefeito do 2º colocado é grande; influencia quem não gosta de ‘perder o voto’. É aquele eleitor influenciado pelo barulho, pelo clima de otimismo que envolve o favorito. 

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): Solidário a proposta de dar abono salarial ao funcionalismo; presente as sessões ‘on line’, acompanha a situação da saúde pública nas cidades do Bolsão. Deputado Marçal Filho (PSDB): Requer a criação da Semana contra os Relacionamentos abusivos (família/sociedade) tendo como referência o dia 12 de julho. Deputado José Teixeira (DEM): Requereu estudos para permitir a instalação da 3ª. Vara da Comarca de Maracaju. 

‘A PARTILHA’: Foi lá que a pilhagem da África pelos europeus oficializou. Em 1884 na Conferencia de Berlim, as potencias mundiais dividiram o continente africano, definiram divisas dos seus territórios, assinaram tratados comerciais, de navegação e proibiram a escravidão e o tráfico deles. Presentes: Rússia, EUA, Grã Bretanha, Itália, Portugal, Espanha, França, Império Turco Otomano, Império Austro Húngaro, Noruega, Suécia, Império Alemão e Holanda. As maiores e melhores áreas para a Inglaterra, Alemanha e Portugal. Essa situação de domínio durou 61 anos; até o fim da 2ª. Guerra quando começaram os primeiros movimentos de independência das colônias. 

O MAPA africano ‘confeccionado’ pelos europeus: França ficou com o norte, costa ocidental (Argélia, Mauritânia, Costa do Marfim, Togo. E Guiné) e ilhas do Índico; Grã Bretanha ocupou desde o Egito até o sul, com a África do Sul; Portugal: Angola, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé/Príncipe, Guiné e Ilha da Madeira. Espanha: Tiger, Ilhas Canárias, Camarões , Rio do Ouro. À Itália: Líbia, Somália e Eritréia. Alemanha: Tanzânia, Camarões e Namíbia. Bélgica: com o Congo e Ruanda. Depois de tantos anos explorados pelos ‘colonizadores’ os africanos estão na Europa pedindo ajuda, mas são discriminados. Essa é a Europa, ‘chic’ e moderna na mídia, mas exploradora e ingrata. 

O novo coronavírus ensina: o hospital é mais importante que o estádio em Manaus ou o aquário em Campo Grande. 




Deixe seu comentário