Campo Grande, 19 de setembro de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Amplavisão

Amplavisão, Política • 19 mar, 2018

AMPLA VISÃO| Pesquisas – Falta coerência e sobra tolice


‘SOLIDARIEDADE’ O atual ministro de Governo Carlos Marun ignorou o clamor público contra o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB) ao visitá-lo na cadeia em Curitiba. Repetiu o gesto visitando o ex-governador André (MDB) na prisão. Mas a exemplo das vezes anteriores, o ex-deputado Edson Giroto ( PR) foi esquecido na cadeia pelos companheiros de política. Nem Marun e nem Puccinelli levaram uma palavra de solidariedade. Evidente – medo de desgaste! 

‘CORAJOSOS’ Vendo as imagens do Juízes e Procuradores da Justiça Federal em postura de protesto na entrada do Fórum Trabalhista da nossa capital, não há como deixar de concluir: no Brasil retratado pelo personagem Justo Veríssimo, o direito não combina com bom senso. Meu pirão primeiro! Perguntar não ofende: O que será – por exemplo – que as empregadas domésticas destas autoridades pensam a respeito da ‘bagatela’ do auxílio moradia de seus patrões? Como dizia o maestro Tom Jobim: “O Brasil não é mesmo para principiantes”. 

UM PERIGO! O custo da terceirização de algumas atividades – antes inerentes a própria natureza das atribuições das administrações municipais e estaduais continua polemizando. Alguns alertam que essa opção acaba saindo muito mais cara se fosse realizada pela gestão pública, além de ser mais eficiente e de melhor qualidade. Sobre esse assunto conversei com dois prefeitos recentemente. 

O PRIMEIRO foi Maurílio Ferreira Azambuja que governa Maracaju pela terceira vez. Ao seu estilo calmo citou um exemplo assustador: quando assumiu o município gastava R$180 mil reais mensais só com a coleta de lixo. Tomou coragem: não renovou o contrato com a empreiteira e gasta hoje com frota e funcionários apenas R$75 mil por mês. Só com a economia comprou vários caminhões basculantes e equipamentos. Quando assumiu havia 10 ônibus escolares. Comprou 40 e cortou a terceirização. 

O SEGUNDO prefeito com quem conversei na governadoria foi Valdomiro Sobrinho (PR) de Mundo Novo. As mudanças começaram nas pequenas atividades da garage municipal onde instalou equipamentos para reparos diversos nos veículos e equipamentos. Também mapeou as estradas e investiu no transporte escolar municipal, limpeza e conservação das ruas. Valdomiro lembra que cabe sim a administração zelar diretamente pelos interesses do município, evitando delegar atribuições a terceiros que só visam o lucro. Exemplos a serem seguidos. 

SEGREDOS Sobre essas posturas o ex-prefeito de Aquidauana Felipe Orro e hoje deputado pelo PSDB, após assistir os relatos de Maurílio e Valdomiro, elogiou as iniciativas. Lembrou que como prefeito fugiu das propostas das empreiteiras dos serviços de tapa buracos e das ofertas de empréstimos de alguns bancos. Cuidou das ruas a custos incomparáveis e Aquidauana foi a única – dentre 25 cidades – que não se deixou seduzir pelas ‘tentadoras propostas’ de um banco alvo de medida punitiva do Banco Central. 

AVISOS: “Existe o vácuo de representação. O eleitor não se sente representado pelos partidos e políticos. A rejeição será enfrentada por todos.Dois terços do eleitorado não tem partido de preferência. Qualquer político que apareça no horário eleitoral será visto inicialmente com desconfiança. Existe a indignação que não está nas ruas, também por conta da internet, mas é preciso que os candidatos estejam sintonizados com isso. Quem conseguir personificar a indignação terá mais chance.” ( Mauro Paulino – diretor do Datafolha ) 

UTOPIA Pela última pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria o brasileiro quer um candidato com perfil raro: que acredite em Deus, honesto, experiente e que tenha origem pobre, valorizando mais o conhecimento dos problemas do país inclusive dos assuntos econômicos. Outro delírio: o eleitor exige que o candidato não minta na campanha. Brasileiros tolinhos vivendo no mundo da lua. Adianta fazer biometria e ainda acreditar que os ovos de chocolate da Páscoa vêm dos coelhos? 

CONTRADIÇÕES Em termos de exigência o nosso eleitor se posta como um cidadão norueguês, mas seu comportamento no dia a dia é aquém das recomendações éticas e patrióticas. Continua cometendo fraudes diversas, fura filas e quer levar vantagens também nas eleições. Quer fazer delas um bom negócio. Enfim, fala uma coisa e faz outra diferente. Enfim, esse pessoal não chegou ao Congresso Nacional por acaso. Afinal, jabutis não escalam postes. 

CONCLUSÃO O país continuará o mesmo, do descontentamento, da desesperança. Nenhuma das candidaturas une a nação. A abstenção e os votos /brancos totalizarão mais de 30%. As reformas tributária, política e previdenciária não interessam aos donos do poder. Aliás tramam a volta do imposto sindical. Aí somos obrigados a concordar com escritor Giuseppe T. Lampeduza: “as coisas mudam para ficar como estão”. 

ENTRAVES A recente decisão judicial suspendendo os direitos políticos por 3 anos dos ex-prefeitos Nelson Trad (PTB) e Alcides Bernal (PP) pode até não ser confirmada em 2ª. instância, mas já representa desgastes na opinião pública e fornece munição aos adversários sem problemas judiciais. Mas o desgaste mais temido e irrecuperável é o tal desgaste nas urnas. Esse, nem reza brava cura. 

‘APOLÍTICA’ Papo agradável com a ex-senadora Marisa Serrano na ante-sala do gabinete do prefeito Marcos Trad (PSD). Quando perguntada sobre o cenário político – ela disfarçou sorrindo e disse “política é coisa do passado”. Mas ‘data venia’, qual seria mesmo o real motivo da visita da ilustre filha de Bela Vista ao prefeito da capital nesta época em que as costuras políticas já acontecem? Mistério. 

BOLSÃO Se minha memória não falha, o último deputado federal representando essa região do Estado foi Waldomiro Gonçalves. Agora com a desistência do deputado Eduardo Rocha (MDB) há uma disposição de convencer o ex-deputado Diogo Tita (MDB) de tentar a empreitada, um tanto quanto difícil, mas não impossível. A tendência é que a região continue o paraíso dos candidatos paraquedistas. 

EXPLICO É difícil obter êxito com o discurso da unanimidade das cidades da região em prol de um candidato. Prefeitos, ex-prefeitos, vereadores e lideranças diversas estão abrigados em partidos diferentes e mantém ligações com políticos e candidatos ao senado, câmara federal e assembleia legislativa. Nesta hora imperam as questões domesticas das cidades. Sem ilusões. 

‘PONTE DE PAPEL’ Para a opinião pública de Jardim e região, a ponte sobre o Rio dos Velhos que ruiu fez jus ao apelido e vai influenciar o eleitor. Conversei no saguão da Assembleia Legislativa com o prefeito Guilherme A. Monteiro (PSDB) e o vereador Artur Miranda (PDT). Ambos reclamaram dos transtornos e prejuízos, lembrando que outras 40 pontes (da mesma empresa) estão sob suspeita. As imagens da ponte ruindo são mais fortes do que a desculpas dos responsáveis pela obra. 

APOSTAS Que eleição mais esquisita! A maior aposta é que fulano, beltrano ou sicrano desista da candidatura a governador. Ora! Quanto mais opções, por mais estapafúrdias que possam parecer – maior é a chance do eleitor efetivamente fazer comparações. Esse tipo de aposta pode transparecer receio ou algo parecido. 

FICHA LIMPA Indaguei ao governador Reinaldo (PSDB) sobre a importância da ‘ficha limpa’ nestas eleições. De forma clara, disse que esse tema não poderia ficar de fora das abordagens na campanha, pois o próprio eleitor junto com a análise das propostas terá a chance de verificar e comparar a biografia ou currículo de todos os candidatos. Foi o recado. 

DE LEVE Será que com mais 180 novos táxis em Campo Grande o nível de prestação de serviço vai melhorar? Os motoristas – por exemplo – deixarão de fumar dentro do carro antes do passageiro embarcar? E os preços – serão competitivos aos do Uber? E os motoristas que atendem no aeroporto – continuarão apressados como se tivessem participando de uma gincana? Afinal, quantidade nem sempre garante qualidade. 

NOTA 10 Também nos eventos comemorativos a Semana da Mulher, a deputada Mara Caseiro ( PSDB) foi a parlamentar que mais se destacou na bancada feminina.Desde o início acompanho atuação dela que com sua fibra vem ganhando espaço. Presente na tribuna, nos debates, atuante nas comissões em que participa, tem a coragem sem perder a natural delicadeza. Além do mais, ela tem uma bela história de vida de superações. 

HUMOR JUDEU “O sucesso não me mudou em nada. Sempre fui insuportável”. (Fran Lebowitaz) “Quebrei uma perna esquiando na semana passada. Felizmente não era minha”. ( Mel Brooks) “Ou este homem está morto, ou o meu relógio está parado”. ( Groucho Marx) “Que infância eu tive… Na escola que eu frequentava pediram para um menino provar a lei da gravidade e ele jogou o professor pela janela”. (Rodney Dangerfield) 

O sujeito vai lá, tapa o nariz e vota”. (João Ubaldo Ribeiro)




Deixe seu comentário