Campo Grande, 22 de outubro de 2019

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Amplavisão

Amplavisão, Política • 20 set, 2019

AMPLA VISÃO| Políticos ou eleitores? Quem mudará?


FRANCAMENTE… Até aqui ‘empate técnico’ entre o pessoal do PT e MDB investigado, denunciado, condenado e preso por corrupção, principalmente na laboriosa operação Lava Jato tão aplaudida pela opinião pública, mas ‘vista com ressalvas’ pela classe política. Ulysses Guimarães (Presidente da Comissão Constituinte) não contava com a esperteza de companheiros de seu partido e patrioticamente ( ou ingenuamente?) sentenciou em memorável discurso: “não roubar, não deixar roubar”. Não sabia que a ‘alcateia’ de seu partido era tão numerosa – de ‘ velhos lobos a lobinhos’. 

ENCENAÇÃO A entrevista do ex-presidente Michel Temer (MDB) ao ´Roda Viva’ da TV Cultura na última segunda feira primou pela desfaçatez do entrevistado e pela alienação dos jornalistas entrevistadores que evitaram temas comprometedores ao convidado. A pérola da noite ficou por conta de Temer que alegou desconhecer e não ter participado do impeachment da ex-presidente Dilma, com a justificativa de que era seguia os ensinamentos do Direito Constitucional. Temer, junto com o governador João Dória (PSDB) e outras lideranças estariam tramando a formação da frente anti-Bolsonaro já apelidada de ‘Turma do Rabo Preso’. É o Brasil que temos! 

EM COMUM Michel Temer e o ex-governador André Puccinelli, além das suas prisões, e serem do MDB, tem algo mais em comum. Ocupando cargo executivo, não foram capazes para perceber ou fiscalizar as ações ‘administrativas’ de pessoas do governo com quem tinham estreitas e notórias relações pessoais inclusive. Se Temer não atentou para as ‘peraltices’ do coronel Lima e do ex-deputado Rocha Loures (MDB) ( R$500 mil na mala), Puccinelli não soube – nem por ouvi dizer – que o seu poderoso ex-secretário Edson Girotto comprou fazendas e tinha padrão de vida acima de seus ganhos. Os 2 casos lembram a frase “não roubar, não deixar roubar” do discurso de U. Guimarães. 

POLÍTICOS São figuras expostas e sujeitas aos olhos da opinião pública, justa, exagerada ou irônica. Eles têm que aprender a lidar com essa situação. Recentemente tivemos dois casos envolvendo políticos ‘guaicurus’. O primeiro envolveu o deputado Pedro Kemp (PT) que num restaurante com sua turma de gabinete gastou mais de R$1.500,00 e já ganhou apelido de ‘Deputado Open Bar’. O segundo caso teve como personagem o deputado federal Beto Pereira (PSDB) que numa refeição em restaurante de Brasília gastou mais de R$300,00. Legais ou não as gastanças causam comentários. Os dois protagonistas de partidos opostos primam pela ‘boa mesa’. Quanto a conta… 

CONVICTO Questionei ao deputado federal Fábio Trad (PSD) eventuais desgastes ao assinar a CPI da Lava Jato. Ele justificou ao seu estilo: “ Assinei convicto. Sinceramente não penso nas próximas eleições. Sou contra a prática de corrupção pelos que combatem a corrupção. As suspeitas que recaem sobre as autoridades da Lavajato devem ser investigadas pelo parlamento, já que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal não querem investigar. Não pode haver crime perfeito em uma democracia. A quem interessa não fazer a CPI que poderá fortalecer a Lavajato expurgando o estrelismo de algumas autoridades?” 

XICO GRAZIANO: “ Como conviver sem os agrotóxicos? A pergunta, formulada nesta 2ª.feira ( 16/09/22019), em reunião na Câmara dos Deputados, suscitou outra dúvida: será possível produzir alimentos, em larga escala, sem utilizar produtos químicos para combater pragas?…Claramente a condenação dos pesticidas se mistura com a crítica política do capitalismo. Denomino isso de “esquerdismo verde”, uma ideologia retrógrada que pretende derrubar o atual sistema econômico substituindo-o por um modelo agroecológico e familiar, desvinculado do lucrado na produção. Sabe-se lá como funcionaria…” ( Xico Graziano é agrônomo e ex-ministro da Agricultura) 

FRANCISCANO? “…Eu tinha crescido tamanhamente na república que eu não tinha mais noção daquilo que era o verdadeiro da vida…aprendi muito…calcei as sandálias da humildade. Hoje sou outro homem…” Essas frases pinçadas na entrevista do ex-senador Delcídio do Amaral (PTB) ao colega Carlos Voges mostram a soberba nos corredores do poder – ao contrário do clima da anti sala da UTI hospitalar, onde a dor restaura a humildade e nivela classes sociais. Acostumado ao ‘prato feito’ na mesa, Delcídio terá que começar lá de baixo para formar um grupo seu. No PTB terá ambiente para isso. 

DELCÍDIO Sempre é bom lembrar de sua experiência de sair diretamente do poder para a cadeia com as cenas mostradas na mídia. Tem o mérito de não ter envolvido ninguém de sua família naquele episódio. Mas o que eu pergunto é se a opinião pública deletou ou irá deletar do seu imaginário todo o ocorrido. Nem sempre o veredito judicial faz eco positivo no subconsciente. À favor de Delcídio há um fator: é unânime o entendimento de que ele nunca foi PT e jamais teve a postura petista na vida pública partidária. Em consequência, para renascer politicamente terá que caminhar com pernas próprias: ouvir mais, falar menos! Vida que segue, que seja longa e proveitosa. 

LEMBRETES do deputado Luiz Ovando (PSL) na tribuna da Câmara Federal: “O Governo demitiu 20 mil funcionários fantasmas do MEC com economia de R$ 194 milhões/mês…..Vendeu em leilão 23 portos, aeroportos e ferrovias…..suspendeu verba de R$50 milhões para financiar criptomoeda aos índios ( pode isso?) através da Funai…..Em 2018 tivemos 43 invasões indígenas de terras e em 2019 apenas uma (Aquidauana)…..em 2019 tivemos 5 mil desistências de benefícios do Bolsa Família…..A Bolsa de Valores atingiu o recorde de 100 mil pontos, maior que os 43 pontos em 2018….. extinguiu a indústria da multa que penalizava a classe produtora.” 

‘LARANJAS’ No passado ouvi casos interessantes onde ‘testas de ferro’ se negaram – apesar das ameaças – a devolverem bens imóveis aos legítimos donos ou a quem eles ( políticos) indicaram. Há casos em que laranjas morreram e as viúvas e herdeiros se negaram a devolver fortunas em bens. Mas os casos que já fazem parte até do nosso folclore político, não intimidam poderosos do cenário atual que aderem a essa pratica. Político que nada entende das lides rurais ( a exemplo dos herdeiros) comprando fazendas. Mas há uma dúvida cruel: quem morrerá primeiro? O político ou o laranja? 

CONFIRA: “…O buraco é mais embaixo. No caso da reforma previdenciária houve grande apoio popular, a mídia martelando a favor explicando a importância, e os próprios deputados desenvolveram um senso de sobrevivência ali; se votassem contra, estariam liquidados politicamente, e faltaria recurso público amanhã. No caso da minirreforma partidária e eleitoral, houve alguma pressão também, mas tudo foi feito mais às pressas, e talvez não tenha dado tempo de uma forte reação. Os deputados julgaram que valia a pena o risco, de olho nos recursos. O que deve ficar claro agora é que estavam errados, que o custo será muito alto…” (jornalista Rodrigo Constantino) 

ESSA MÍDIA… A grande mídia não perde a chance de atacar o Governo Federal dando uma versão manipulada dos fatos. Esse caso envolvendo o senador Fernando Bezerra (MDB) que exerce a liderança do Governo no Senado é mais um exemplo. As notícias destacaram eventuais vantagens financeiras reveladas em delações de empreiteiras. Mas o fato causador do bloqueio dos bens do senador teria ocorrido quando ele era o Ministro da Integração Nacional em 2010/20111 durante gestão petista em parceria com o MDB. A notícia como foi posta visa atingir a atual administração. 

BOLA CHEIA A dor de cotovelo já é notória. Mesmo alguns setores críticos admitem que a atual administração municipal transformou Campo Grande num imenso canteiro de obras. Ao seu estilo – sem utopias e loucuras – o prefeito Marcos Trad recupera a cidade que encontrou depredada. E o mais interessante é que ele consegue capitalizar politicamente esses dividendos, o que nem todos gestores conseguem. Talvez seja esse o diferencial de Marquinhos – pronto para o pleito de 2020. Tudo pode ocorrer é claro, mas as pesquisas comprovam isso. Um Marquinhos com jeito de ‘Marcão’. 

‘TCHAU QUERIDA’ Diabetes vigiada; ócio angustiante; utopia do novo amor; mesmice nas declarações rançosas e entrevistas a determinados jornalistas e órgãos de imprensa. Esse é o ex-presidente Lula (PT) que vai perdendo a relevância no atual cenário político onde o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) vai tentando capitalizar apoios ao seu projeto presidencial. Contra Lula há um outro fato gravíssimo : a possibilidade oceânica dele ver confirmada a segunda condenação. Aliás, as últimas delações homologadas estão tirando literalmente a máscara e o sono do ex-presidente que tenta passar a imagem de ‘Superman’, imune a tudo e ao tempo implacável. 

BOA TACADA A iniciativa de tornar o governo estadual itinerante através do programa ‘Governo Presente’ vem rendendo elogios. Possibilita que os governantes municipais e representantes dos mais diferentes segmentos sociais, inclusive entidades filantrópicas, tenham maior facilidade de expor seus problemas e reivindicar a mão amiga do Governo. Às vezes, a distância entre as cidades e a capital – acaba sendo empecilho na solução de um problema aparentemente difícil e que pode ser resolvido sem grandes demandas. 

RÁPIDAS 

Deputado Antonio Vaz (Podemos) Pede obras de drenagem e recuperação de avenida em Porto Murtinho; apresentou projeto de concessão de título de cidadania a Alexandre S. Martins; acompanha seu projeto de Farmácia Solidária. 

Deputado Barbosinha (DEM) Comemora as obras de recuperação da Avenida Presidente Vargas em Dourados e o sucesso do projeto ‘Escola segura – Família Segura’ que implantou na Secretaria de Segurança com rondas militares nas escolas. 

Deputado Capitão Contar (PSL) Fez reivindicações beneficiando 18 bairros da capital; pediu a construção de duas pontes de cimento em Amambai. Sua equipe monitora o andamento das reivindicações nos órgãos competentes. 

Deputado Evander Vendramini (PP) Pediu isenção do GTA dos produtores rurais do Pantanal na época das queimadas; cobrou informações do projeto que qualifica a fibrose cística no rol de doenças graves; pediu notícias do projeto sobre concurso de juiz de paz. 

Deputado Gérson Claro (PP) Presente as sessões; recebeu lideranças comunitárias de Sidrolândia em seu gabinete; visitou secretárias e órgãos do Governo Federal e Estadual para solucionar problemas de correlegionários. 

Deputado João Henrique (PR) Pediu obediência ao Regimento Interno da Casa; usou da tribuna na sessão solene na Assembleia Legislativa homenageando educadores; no seu gabinete tratou de assuntos administrativos com vereadores e líderes do interior. 

Deputado Lucas de Lima (Podemos) Usa das redes sociais para maior conscientização sobre os perigos também na zona urbana tanto da capital como do interior e acompanha o combate pelo Governo das queimadas no Pantanal e Serra da Bodoquena inclusive. 

Deputado Marçal Filho (PSDB) Propõe Comenda do Mérito Legislativo a Valdemir de Souza Messias; pede maior divulgação do telefone 188 do CVV; publicada lei de sua autoria sobre Prevenção do Suicídio denominada “Setembro Amarelo”. 

Deputado Marcio Fernandes (MDB) Ultima preparativos para lançamento do seus projeto “castramóvel” na capital e interior objetivando castrar gatos e cachorros para evitar endemias que ameaçam também os seres humanos. Conhece da matéria! 

Deputado Paulo Correia (PSDB) Apresentou projeto de lei concedendo título de cidadania a Jaime Verruck; presidiu as sessões ordinárias e a sessão solene que homenageou os educadores. 

Deputado Zé Teixeira (DEM) pediu substituição da ponte de madeira por outra de concreto no local denominado “Travessão”, entre Dourados e Douradina; pediu maior conservação nas estradas vicinais em Caracol

Senador Nelson Trad Filho (PSD) Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado voltando aos Estados Unidos – desta vez para participar da sessão de abertura da ONU junto com o presidente Jair Bolsonaro (PSL). 

Presidente Iran Coelho das Neves destacando o sucesso do 1º Simpósio da Bacia Hidrográfica do Rio Miranda que promoveu no Tribunal de Contas do Estado com a participação de mais de 300 pessoas. 




Deixe seu comentário