Campo Grande, 22/04/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 06 abr, 2021

A interiorização do desenvolvimento, por Xico Graziano


Agro aquece a economia do Brasil –  Cria vagas e é motor do crescimento

Automatização da colheita não impediu criação de postos de trabalho na sojicultura – Agência Brasil


06.abr.2021 (terça-feira) – 9h08

Aagropecuária nacional gerou 56.041 vagas de emprego nos 2 primeiros meses de 2021. Essa demanda por mão-de-obra rural está 192% acima do mesmo período no ano passado. O agro aquece a economia do Brasil.

Em 2020, o agro brasileiro já havia mostrado excelente resultado na contratação de pessoal. Foram, em todo o ano passado, 61.637 vagas, o melhor desempenho desde 2011. Mesmo em plena pandemia, o campo gerou novos, e bons, empregos. Dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Receba a newsletter do Poder360

O novo mundo rural está conseguindo combinar o avanço tecnológico com a geração de emprego. É inesperado, e sensacional. Todos sabem ser essa uma equação difícil, pois o desenvolvimento e a tecnologia costumam, em geral, destruir ocupações tradicionais.

Graças ao seu dinamismo econômico, porém, influenciado sobremaneira pelos estímulos do mercado externo, a agropecuária brasileira está oferecendo empregos, com carteira assinada, pelo interior do país.

Poucos estudiosos têm prestado atenção nesse fenômeno econômico: em pleno século 21, está ocorrendo um processo de interiorização do desenvolvimento nacional.

Os efeitos positivos dessa fase recente do desenvolvimento brasileiro ainda não se mostram plenamente. Mas quem viaja já percebe novos polos de progresso espalhados alhures. Em lugares onde nada existia, surgem quase que milagrosamente supermercados, shoppings center, revendas de máquinas e veículos, hospitais, aeroportos, faculdades. É incrível.

Exemplos dessa transformação podem ser facilmente verificados em Luís Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia, a 1.000 quilômetros de Salvador; em Sinop, no nortão do Mato Grosso; em Balsas, no Sudeste do Maranhão.

Noutros locais, a pobreza histórica se substitui pelo novo ciclo da riqueza. É o caso de Uruçuí, no Piauí; de Rio Verde e Catalão, em Goiás; de Araguaína e Gurupi, no Tocantins; de Monte Carmelo e Patrocínio, em Minas Gerais.

A partir da porteira das fazendas, surgem fortes cadeias produtivas –conhecidas, em seu conjunto, por agronegócio– que constroem um novo Brasil situado longe do litoral.

O efeito multiplicador resulta que, a cada emprego rural gerado, outras ocupações urbanas surgem: mecânicos, comerciantes, prestadores de serviço, vendedores, professores, médicos. Agrega-se renda. Eleva o IDH dos municípios.

Está, assim, ocorrendo no Brasil uma certa reversão da história: sempre coube à agropecuária liberar mão-de-obra para a industrialização. O setor primário era, por isso, considerado retardatário do desenvolvimento. Agora inverteu o processo: quem puxa o crescimento da economia é o agronegócio.

Dois detalhes importam. Primeiro, a atividade agrícola que mais gerou vagas de emprego, em 2020, foi a sojicultura, com 13.396 vagas. Lavoura completamente mecanizada, muitas vezes criticada por servir apenas ao interesse “externo”, a soja gera vagas pela expansão dos cultivos, nas fronteiras agrícolas.

Segundo, regionalmente, o Estado de São Paulo foi o maior gerador de empregos na agropecuária brasileira. Ou seja, sem expandir a área, o agro paulista dinamiza e gera postos de trabalho, destacando-se os setores da cana-de-açúcar, avicultura, produção florestal, citricultura, bovinocultura de corte e leite.

Conclusão: o agro não mais pode ser considerado uma “atividade primária”, como no passado. Antes caudatário, agora o campo puxa o crescimento da economia. Mudou o paradigma.

O Brasil carece de uma nova teoria do desenvolvimento. Nela, se destacará o agro 4.0.

Xico Graziano, 67, é engenheiro agrônomo e doutor em Administração. Foi deputado federal pelo PSDB e integrou o governo de São Paulo. É professor de MBA da FGV e sócio-diretor da e-PoliticsGraziano. É o atual secretário do Meio Ambiente de IlhaBela. O articulista escreve para o Poder360 semanalmente, às quartas-feiras.




Deixe seu comentário