Campo Grande, 04/12/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 22 out, 2021

Bolsonaro ficou inteligente?


(por Helio Scwartzman ) – 

Ele sabe traçar objetivos, como a busca pela reeleição

Jair Bolsonaro é inteligente? De quando em quando lanço essa pergunta, sempre definindo inteligência como a capacidade de traçar objetivos e seguir uma estratégia elaborada para alcançá-los.

O presidente passa com facilidade pela primeira parte do teste. A meta que ele se propôs é a reeleição. Faz sentido. É o melhor caminho para evitar a cadeia depois que ele perder as imunidades e o foro especial. O plano B seria obter um passaporte italiano e voar para Roma no dia 31/12/2022. A Itália, como o Brasil, não extradita nacionais.

É na segunda parte do teste que os cálculos presidenciais se tornam mais duvidosos. Até que ele começa bem. Tenta viabilizar a reeleição turbinando o Bolsa Família e o rebatizando com um nome mais facilmente identificável à sua administração. É meio simplório, mas já deu certo no passado. O próprio Bolsonaro experimentou um pico de popularidade no ano passado, enquanto o governo pagava o auxílio de R$ 600.

Particularmente grave é o fato de que há mais de ano se sabia que Bolsonaro teria de equacionar uma fórmula de ajuda —por causa da reeleição e porque os pobres precisam comer—, mas o presidente nada fez. Quer dizer, fez, sim. Ele descartou soluções mais racionais, que passariam pelo corte de despesas menos necessárias ou menos eficientes.

Meu diagnóstico é que Bolsonaro tem grande dificuldade para pensar algumas casas à frente e se limita a reagir às situações que se lhe apresentam. Não chamaria isso de inteligência.

*Publicado na Folha de S.Paulo




Deixe seu comentário