Campo Grande, 19 de setembro de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 07 maio, 2018

Cem vezes mil


por Ruy Castro

Há dias, por problemas na documentação, a Receita Federal no Aeroporto Internacional do Galeão abriu tonéis vindos da China pela British Airways e endereçados a importadores de Rondônia. Os tonéis não continham “insumos para medicamentos”, como declarado, mas cem quilos de heroína. É uma das maiores apreensões desta droga no país. Ainda não se sabia se ia para fora do Brasil ou se era para ser consumida aqui mesmo.

Um simples grama de heroína pode fazer um bocado de estrago. Para quem resolver experimentá-la, por curiosidade ou esporte, será suficiente para levar o cidadão a um estado nirvânico e fazê-lo querer usar de novo, para continuar assim. Em poucos gramas —muito poucos, mesmo—, ele passará a usar a droga, não pelo prazer que ela a princípio lhe deu, mas para aplacar os efeitos provocados pela abstinência: irritação, febre, náusea, vômitos, cólicas, diarreia, dores musculares, problemas respiratórios, alucinações.

Se um grama de heroína põe uma pessoa na fronteira da dependência, cem quilos multiplicam esse alcance por cem mil. Como a droga aprendida seria “malhada” a fim de crescer em volume, a quantidade de gente atingida chegaria a proporções alarmantes.

Ao contrário dos EUA, onde há hoje um milhão de dependentes de heroína, o Brasil não tem tradição nessa droga —por enquanto. Mas, se os cem quilos apreendidos no Galeão se destinavam ao consumo interno, pode-se apostar num mercado incipiente ou numa tentativa de criar esse mercado. Estão confiantes em que se repitam a ignorância e a omissão quanto à entrada da cocaína e do crack no país por todos os governos dos anos 80 para cá —apesar dos inúmeros alertas.

Eu sei, o Galeão se chama oficialmente Tom Jobim. Mas algo me impede de escrever que acharam heroína no Tom Jobim. Em Tom Jobim só se achava a música, a poesia, a beleza —não a morte.

*Publicado na Folha de S.Paulo




Deixe seu comentário