Campo Grande, 27/07/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 20 fev, 2021

Coisa de doido ( Marcelo Tognozzi)


É ser tornar presidente da República  –  Tem que ter pacto com a insanidade  –  Loucura e poder andam de mãos dadas

OBolsonaro é doido? Qual presidente da República não foi doido? Ah, sim, a Dilma – ela era doida, no feminino. A presidência e a insanidade andam juntas. JK era chamado de maluco porque decidiu fazer Brasília. Jango pirou quando fez comício com cabos, sargentos e estudantes. Jânio Quadros o que era? Collor no Planalto era um poço de sobriedade? E Itamar? O cara tem de ser muito louco para apostar tudo num Plano Real e ainda botar um sociólogo pra mandar na economia

Jair Bolsonaro ao tomar posse como o 38º presidente da República, em 1º de janeiro de 2019Sérgio Lima/Poder360 – 1º.jan.2019


20.fev.2021 (sábado) – 6h00

Presidentes, reis e mandatários em geral não batem bem. Os caras têm manias. Uns querem luxo, outros querem sexo, todos querem poder, ninguém quer ir embora quando acaba. O cara que senta naquela cadeira de presidente da República tem pacto com a insanidade. Pode acreditar.

Loucura e poder andam de mãos dadas. O sujeito acaba se convencendo que virou alguma coisa que ninguém é. E, no fundo, ele não deixa de ter razão. O exercício do poder é solitário, difícil o cara compartilhar, porque quem divide poder perde e se o cara que é presidente perde, ele não consegue governar direito e aí pira de vez.

Receba a newsletter do Poder360

Imaginem a loucura de um mineirão como ex-presidente Artur Bernardes mandando bombardear São Paulo nos idos de 1926 e dando aquele banho de sangue, inocentes mortos nas ruas e prédios destruídos. Não foi a razão que levou Getúlio ao suicídio, foi aquela coisa insana que sussurrou pra ele: você sobreviverá politicamente. Ele não queria a morte, queria o poder. Quantos não elegeu depois de morto?

Bolsonaro é doido? Totalmente doido! Se fosse normal não teria ganho a eleição. Os mentalmente sãos acabaram varridos, perderam feio. Ele foi para o segundo turno com Fernando Haddad, que não é doido, mas naquela eleição fez o papel de alter ego do Lula, um “mucho loco” de carteirinha.

O poder é uma loucura. Valha-me santa Narcisa Tamborindeguy! Vi um vídeo do ministro Alexandre de Moraes quando ainda era um cidadão comum, cotidiano e tributável e queria cometer a doidera de tocar fogo no Supremo. Isso é fake news? Não, é insanidade mesmo. Aquele Alexandre pequeno virou grande e agora enlouqueceu com o poder da capa preta e de um Judiciário que de uns 10 anos para cá virou o fortão da Praça dos Três Poderes. Ele está errado? Não, está empoderado. Vai encarar?

Às vezes aparecem doidinhos de ocasião, meteóricos, como o governador afastado do Rio, Wilson Witzel. Ou aqueles focados num grande faz de conta das aparências, cheios de talento e energia, mas sem a loucura que dá liga, como o governador João Doria. Explico: as pessoas compram a loucura dos malucos que chegam lá. Foi assim com Jânio Quadros, Fernando Collor, Lula e Jair Bolsonaro. A loucura do Doria vira vacina, mas não vira voto.

E não acontece apenas no Brasil. Olhem para o mundo e os doidinhos estão em todos os governos. O doidão do Trump acabou perdendo para o louquinho light do Joe Biden. E Bill Clinton com sua estagiária era o quê? O maluquinho light Mauricio Macri se lascou na mão na desvairada Cristina Kirchner e o ex-chefe de gabinete dela, Alberto Fernandez, acabou indo morar na Casa Rosada. Alguém de sã consciência acha o presidente da China Xi Jinping um sujeito normal? Não vou nem citar Kim Jong-un da Coreia do Norte, mas olhem para Angela Merkel, a mulher mais poderosa da Europa. A loucura dela é ter poder e fazer de tudo para parecer que não tem. Não faz as unhas, não compra vestidos e diz que cozinha para o marido. Alguém acredita numa maluquice dessas?

O ex-rei da Espanha, sua alteza real Juan Carlos I, foi morar nos Emirados Árabes. Como um rei emérito de um país que expulsou os árabes da Europa foi morar na casa deles? Dizem que ele perdeu a cabeça, e uns bons milhões de Euros, por causa de uma loura estonteante chamada Corinna Larsen e a loucura foi tanta que dom Juan acabou na terra das mil e uma noites.

O poder embriaga quem dele bebe. Não importa o país, a cultura ou a origem. A última pesquisa do PoderData mostra que o doido do Bolsonaro continua forte, com todas as chances do mundo de estar no segundo turno da eleição do ano que vem. Ainda não apareceu alguém suficientemente louco para enfrentar Bolsonaro de igual para igual e – bingo! – derrotá-lo. Vai rolar? Não sei. Mas ficar sentado no trono de um apartamento com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando a sucessão chegar não vai mudar nada. Fora da loucura não tem sucessão. Aquele funk caiu na boca do povo e ensinou faz tempo: Ah! Eu tô maluco!

Fonte – Poder 360

Marcelo Tognozzi é jornalista e consultor independente há 20 anos. Fez MBA em gerenciamento de campanha políticas na Graduate School Of Political Management – The George Washington University e pós-graduação em Inteligência Econômica na Universidad de Comillas, em Madrid. Escreve semanalmente para o Poder360, sempre aos sábados.




Deixe seu comentário