Campo Grande, 20 de setembro de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 04 jul, 2020

Nos EUA, cor define ideologia; aqui, ideologia define cor


(por Demétrio Magnoli) – 

O racismo degrada a todos, fazendo ver raças onde existem indivíduos

Nos Estados Unidos, correntes minoritárias do Black Lives Matter deploram a vasta adesão de brancos aos protestos antirracistas, alegando que eles estariam se divertindo com uma nova moda. No Brasil, setores do movimento negro acusam o ex-quase-ministro Carlos Decotelli de ser algo como um “negro falso”, por não seguir a cartilha política e cultural que eles defendem. Lá, cor define ideologia; aqui, ideologia define cor.

A acusação parte de várias vozes, mas é melhor ilustrada por um artigo de Dodô Azevedo (Folha, 1° de julho). Decotelli seria um “negro conveniente”, um “desertor”. Mas como identificar esse personagem abominável?

Primeiro, por desvios de caráter derivados do desejo de assimilação. “Esses negros começam a agir como se desfrutassem dos mesmos privilégios que os brancos” e, por isso, “roubam, matam, mentem”. Ficamos sabendo, assim, que os indivíduos desapareceram, convertendo-se em meras representações raciais. Se Decotelli fosse um “negro inconveniente”, seria necessariamente reto, justo e puro. Tudo, inclusive o caráter pessoal, depende da ideologia.

Segundo, pela fé religiosa. Decotteli, “cristão batista, é um negacionista do sistema de crenças de suas avós e bisavós e tetravós”. A liberdade de escolher uma fé está aberta a todos, menos aos negros. Isso porque “mentira e injustiça não seriam toleradas” nas religiões de matriz africana. François Duvalier, sanguinário ditador do Haiti, fez do vodu o pilar de seu poder, em nome da “autenticidade” africana. Martin Luther King era pastor batista —e, portanto, segundo Dodô, um monstro potencial.

Terceiro, pela carreira. Decotelli teria escolhido a carreira militar “para tentar não ser negro”. Se, como Dodô, tivesse optado pelo jornalismo, o cinema, a história e a filosofia, talvez se aproximasse do pódio de “negro legítimo”. Nessa linha, como fica o marinheiro João Cândido, líder da Revolta da Chibata? E o jornalista, filho de escritor e irmão de músico Sérgio Camargo, presidente ultrabolsonarista da Fundação Palmares?

“Se fosse de esquerda…”: Elizabeth Guedes, presidente da associação das universidades particulares e irmã do ministro da Economia, reclama do movimento negro a defesa de Decotelli. Dodô replica: um “negro inconveniente” jamais inflaria seu currículo, pois saberia que, se ousasse “mentir como um ancestral de imigrantes”, não teria o privilégio do perdão social concedido a ele. A implicação lógica do argumento é que o racismo opera como ferramenta positiva, moldando negros virtuosos. A política identitária precisa da discriminação racial que alega combater.

“Um negro que migra para um país assimilacionista esquece a que matriz pertence”, escreve Dodô. O atacante Eusébio, nascido na Moçambique colonial, artilheiro de Portugal na Copa de 1966, identificava-se como português. O escritor moçambicano Mia Couto não o reprovou. “Se existem brancos que são africanos, se existem negros que são americanos, por que os pretos africanos não podem ser europeus?”

Continue lendo 




Deixe seu comentário