Campo Grande, 18 de novembro de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 14 set, 2018

PT escala Adnet para imitar Lula


Em nova carta ao povo brasileiro, lida por Gleisi Hofmann, Lula faz um apelo dramático: “Ficamos todos mesmerizados com as imitações que Marcelo Adnet fez dos outros candidatos. Esse Adnet foi um dos maiores achados do meu governo. O Brasil precisa, neste momento histórico, que ele encarne o Lula nos palanques e na propaganda eleitoral. É a maneira mais rápida de transferir popularidade para o companheiro Haddad”.

Em seguida, em tom cívico, Gleisi Hoffmann anunciou: “Já preparamos uma barba branca, uma faixa de presidente e um pedalinho”.

Após uma pausa dramática, completou: “Pelas barbas do profeta, isso o TSE não pode impedir. Pelo amor dos meus filhinhos”. Renan Calheiros aprovou a ideia.

Enquanto aguarda resposta do humorista, o PT orientou Haddad a fazer cosplay de Lula. O candidato petista vai deixar a barba crescer e afetar voz rouca para conferir veracidade ao lúdico disfarce.

“Já sei falar ‘recessão’, ‘corrupção’ e ‘sonegação’ com a língua presa. Isso a elite deste país nunca vai engolir”, discursou Haddad, enquanto convocava uma greve no ABC.

Haddad também entrou num curso intensivo de metáforas futebolísticas e prometeu, inspirado em JK, transferir a Capital Federal para Curitiba. Animado, apresentou-se como o “novo” dentro da política. “Nunca antes na história deste país um vice assumiu durante a campanha eleitoral. Isso, por si só, já é uma baita novidade.”

A pedido do PT, a Petrobras construiu uma plataforma de extração de carisma na carceragem da Polícia Federal. Um caminhão abastecerá diretamente o candidato Fernando Haddad. A obra foi financiada pelo BNDES, tocada pela Odebrecht e gerida pela Sete Brasil. Como havia urgência, não foi feita licitação.

Se nada disso ser certo, Haddad estuda ser preso para aumentar sua popularidade.

CONTADOR

Estamos trabalhando há 182 dias sem saber quem matou —e quem mandou matar— Marielle Franco.

*Publicado na Folha de S.Paulo




Deixe seu comentário