Campo Grande, 29 de maio de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 25 mar, 2020

READEQUAÇÃO SALARIAL PARA OS TRÊS NÍVEIS DE GOVERNO


O Brasil jamais teve uma oportunidade melhor e mais oportuna para
readequar os salários dos servidores públicos da União, dos estados e dos
Municípios, uma tarefa que exige ao mesmo tempo, vontade política e
dever cívico. Existem estados, cuja arrecadação está toda comprometida
com a folha de pagamento de servidores públicos, isto sem falar dos
municípios, onde a situação é ainda pior.

Temos que imaginar que, a cada ano, os reajustes dos salários dos três
poderes da união, consomem uma parcela considerável da arrecadação
pública, privilegiando aqueles servidores que já são contemplados com
salários altíssimos, incompatíveis para um país em desenvolvimento, com
elevadíssimo índice de pobreza, onde a situação de desemprego agrava
ainda mais a situação.

O estabelecimento de teto salarial de forma linear, poderia ser um
indicador, bastaria para tanto, um exercício de justiça e cidadania, além da
preocupação de dar aos mais pobres, uma melhor condição de vida. Uma
pergunta serviria para o ponto de partida para a solução do problema: por
que a classe política privilegia os salários dos detentores do poder, e que
já ganham muito? São milhares de servidores com salários acima de
R$.100 mil mensais,abrangendo ainda os aposentados?

Seria prudente imaginar e se preocupar que os constantes aumentos
salariais acabam por inviabilizar a administração pública, até porque, tal
prática acaba gerando uma inflação ocasionada pela emissão de dinheiro
pelo Banco Central, mesmo com baixo nível do PIB, o que seria um
desastre. Os políticos e gestores responsáveis pela administração do
dinheiro público, não deveriam pensar em enriquecimento, mas sim, no
sagrado cumprimento do dever para com o país e seu povo.

Com os recursos informacionais que o país dispõe hoje em dia, muito fácil
seria o levantamento da situação salarial de todos os servidores, e, a partir
desse ponto, estabelecer critérios visando encontrar um novo padrão
capaz de contemplar com clareza e justiça, um valor dentro de uma escala

econômica condizente com a realidade do país em todos os campos de
atividades produtivas. Seria por assim dizer, uma nova política de
formação de preços e salários, e que poderia ser debatida com muita
profundidade com a participação de toda a sociedade.

O Coronavírus, expos ao Mundo a necessidade de mudanças profundas de
caráter político, econômico e social, e, talvez, uma mudança de
mentalidade em relação ao uso do dinheioro, que deve beneficiar dentro
do possível, um número cada vez maior de seres humanos, notadamente,
aqueles de menor poder aquisitivo, dando-lhes esperanças por dias

melhores no Planeta Terra.

BENEDITO RODRIGUES DA COSTA
Economista




Deixe seu comentário