Campo Grande, 30 de outubro de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 02 fev, 2020

A sucessão já começou (Marcelo Tognozzi)


Moro e Huck caminham para eleição – Huck tende a crescer em municipais – Sergio Moro apanhou, mas cresceu – Paulo Guedes pode entrar no jogo

Em Davos, Huck foi chamado de o próximo presidente do Brasil, afagado por banqueiros e homens de negócios. No mesmo rumo está o ministro Moro. Outro virgem de urna que tem aprendido rápido a fazer campanha e ocupar espaços”, diz Marcelo Tognozzi

Bolsonaro está fazendo uma reforma ministerial que começou na Casa Civil e irá atingir outros setores da Esplanada. O presidente deseja dar um freio de arrumação no seu governo no momento em que começa a temporada de entregas. Este primeiro ano foi gasto preparando o terreno, votando a reforma da Previdência e fazendo os ajustes necessários para entregar aquilo que as pessoas mais desejam: empregos. Pelo que dizem os economistas e seu índices, a geração de postos de trabalho tende a crescer cada vez mais.

Os ajustes no governo e as entregas preocupam um presidente em campanha pela reeleição. Uma campanha antecipada pelo próprio ritmo imposto por Bolsonaro com seu estilo de bater duro nos adversários e largar alguns corpos pelo caminho sem dó, piedade ou gratidão. Além dele, já estão na estrada o ministro Sergio Moro e Luciano Huck. Outros virão, especialmente da esquerda.

Em Davos, Luciano Huck foi chamado de o próximo presidente do Brasil, afagado por banqueiros e homens de negócios. Bateu duro no discurso nazista do ex-secretário de Cultura Roberto Alvim e semana passada ultrapassou Bolsonaro em relevância nas redes sociais. Huck tende a crescer, principalmente durante as eleições municipais deste ano apoiando candidatos. Homem do entretenimento, sabe perfeitamente o que fazer, como fazer, qual figurino. Tem carisma e é virgem de urna.

No mesmo rumo está o ministro Sergio Moro. Outro virgem de urna que tem aprendido rápido a fazer campanha e ocupar espaços. Seus embates com Bolsonaro renderam a ele mais relevância nas redes, seguidores e popularidade. Como dizia Leonel Brizola, é um político pão de ló: quanto mais apanha, mais cresce. Moro bateu de frente com o presidente da República, o presidente da Câmara Rodrigo Maia, a esquerda e boa parte do Parlamento. Apanhou um bocado, mas não parou de crescer.

Dos 3 postulantes em campanha aberta é aquele com discurso capaz de seduzir amplos setores do eleitorado, tanto de centro quanto de direita. Moro pode dizer –e o fará no momento certo– que condenou mais de 100 pessoas quando era juiz da Lava Jato. Entre elas, não havia nenhum pobre, nenhum negro e nenhum gay. Apenas homens brancos, ricos e poderosos. A maior parte deles confessou ter roubado dinheiro público que poderia ter sido usado para construir hospitais, escolas, investido em transporte público, melhorado a vida das pessoas. Este discurso do DNA anticorrupção só Sergio Moro pode fazer e todas as pesquisas com circulação reservada indicam sua ampla aderência na classe média e por parte do eleitorado conservador das regiões metropolitanas que começa a dar sinais de desilusão com o Bolsonaro.

Estes sinais surgem quando a economia começa a ficar cada vez mais descolada da política. Paulo Guedes, ao contrário dos seus antecessores, incluindo o competente Henrique Meirelles, anda pelas próprias pernas. Ou seja: manda. Está cada vez mais confortável, especialmente depois de ajudar a tocaiar e estrangular Onyx Lorenzoni, o único ministro que não tinha medo de enfrentá-lo, limpando o caminho para impor seu ritmo e ocupar toda a pista.

Se conseguir fazer o Brasil crescer, como tudo indica, Guedes pode não dividir com Bolsonaro todos louros, sobretudo se ficar clara para o respeitável público a percepção de que ele não é um subordinado do presidente, mas um parceiro de poder. Ainda é cedo para saber até onde o sucesso de Paulo Guedes se transformará em alavanca de ambição política. Isso só o tempo dirá, mas não é impossível nem improvável que ele esteja fora do jogo da sucessão em 2022.

A campanha prematura leva os atores políticos mais astutos e experientes esperarem a hora certa para entrar em cena. Este ano teremos eleições municipais. No ano que vem mudará o comando da Câmara e do Senado. Até a eleição presidencial será uma guerra disputada palmo a palmo. Por isso, é sempre bom lembrar do general Sun Tzu (Arte da Guerra), ensinando que o objetivo final num conflito é sempre a vitória, porém é muito importante “manter intacto o maior número possível de bens sociais e materiais e não destruir todas as pessoas e coisas que estejam no caminho”. É o que Sun chama de princípio da conservação geral; vencer sem o desgaste da luta corpo a corpo. Numa campanha isso significa somar e vencer fazendo política antes, durante e depois. E principalmente errando pouco.

Site Poder 360

Autores

Marcelo Tognozzi

Marcelo Tognozzi

Marcelo Tognozzi é jornalista e consultor independente há 20 anos. Fez MBA em gerenciamento de campanha políticas na Graduate School Of Political Management – The George Washington University e pós-graduação em Inteligência Econômica na Universidad de Comillas, em Madrid.

 




Deixe seu comentário