Campo Grande, 15 de novembro de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Campo Grande

Campo Grande • 19 out, 2018

Manifestantes voltam às ruas neste domingo


Na Capital sul-mato-grossense a manifestação terá início às 15 horas, nos altos da Avenida Afonso Pena, nas imediações da Cidade do Natal

Manifestantes voltam às ruas no domingo em favor de Bolsonaro

Manifestantes voltam às ruas no domingo em favor de Bolsonaro – Divulgação

Na Capital sul-mato-grossense a manifestação terá início às 15 horas, nos altos da Avenida Afonso Pena, nas imediações da Cidade do Natal.

O próximo domingo (21), Campo Grande se reunirá simultaneamente com mais de 200 cidades do Brasil em ato favorável ao candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL).

Na Capital sul-mato-grossense a manifestação terá início às 15 horas, nos altos da Avenida Afonso Pena, nas imediações da Cidade do Natal. A mobilização tem como mote #PTnão e já tem confirmada a presença de milhares de participantes.

Diversas cidades do interior de Grosso do Sul, bem como Capitais de todo o Brasil realizarão o protesto, que é organizado aqui em Campo Grande pelo QG Voluntários do Bolsonaro. Como o ato é aberto à comunidade, a organização pede que quem aderir à manifestação vista-se de verde e amarelo para simbolizar o patriotismo e a defesa da eleição de Bolsonaro.

“O PT governou o Brasil por 14 anos e causou a maior crise que o País já viveu. A corrupção foi institucionalizada, vivemos uma instabilidade jurídica sem precedentes, sem falar do caos que se tornou a segurança e a saúde pública. Não podemos permitir o retorno deles ao poder”, explica Renato Merem, um dos organizadores do protesto.

Ele, assim como muitos cidadãos, teme que o retorno do governo petista transforme o Brasil em um país como a Venezuela, que hoje tem um regime ditatorial de esquerda, comandada pelo presidente Nicolas Maduro. Vale ressaltar que a República Bolivariana hoje é marcada por declínios socioeconômicos e acentuado crescimento da pobreza, inflação, criminalidade e fome.




Deixe seu comentário