Campo Grande, 20 de julho de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Campo Grande

Campo Grande • 20 jun, 2018

Presos na Operação Oiketicus por contrabando, 28 policiais viram réus


A investigação começou em maio de 2017, mas só um ano depois prendeu policiais e cumpriu busca e apreensão nas casas dos investigados

Os 28 policiais militares presos por integrarem uma organização que facilitava o contrabando de cigarros em MS, viraram réus nesta terça-feira (19) pelos crimes de organização criminosa, e corrupção e lavagem de dinheiro. Eles foram presos na operação Oiketicus deflagrada na capital e mais 15 cidades do interior no mês passado, conforme informa reportagem do portal de notícias G1 MS.

De acordo com investigação do Gaeco de da Corregedoria da PM, eles recebiam propina de 30 até 100 mil reais para não fiscalizar a passagem dos carregamentos de cigarros no estado. Duas rotas eram usadas pelos bandidos: o primeiro núcleo cortava as cidades de Bela Vista, Jardim, Guia Lopes da Laguna e Bonito. O segundo tinha como itinerários Maracaju, Dourados, Naviraí, Mundo Novo, Iguatemi, Japorã e Eldorado.

Três comandantes de batalhões são apontadois pelos promotores como chefes da quadrilha de de policiais: Os tenentes-coronéis Admilson Cristaldo Barbosa, responsável por Jardim, Luciao Espíndola, de Bonito, e o major Oscar Leite Ribeiro, que comandou Bela Vista e estava à frente de Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai, desde março. Eles foram presos e exonerados das funções de chefia. Todos os réus estão presos.

Patrimônio incompatível com os rendimentos

A investigação começou em maio de 2017, mas só um ano depois a Operação Oiketicus foi para as ruas, prendeu policiais e cumpriu busca e apreensão nas casas dos investigados e nos batalhões da PM onde serviam. Com análise de documentos e escutas telefônicas, os promotores descobriram que muitos dos investigados não possuem padrão de vida compatível com os rendimentos.

O cabo Aparecido Cristiano Fialho, de Naviraí, possui um patrimônio estimado em R$ 7 milhões de reais. Ele responde separadamente a outro processo, por obstrução de justiça.

O tenente coronel Admilson Crostaldo Barbosa, apesar de receber um salário de cerca de R$25 mil reais, ostenta viagens e gastos com passagens de avião e hotéis, motos importadas de R$70 e R$80 mil e outra de pouco mais de R$67 mil, além de uma bicicleta com valor estimado em R$11 mil reais.

Fonte – Conjuntura online




Deixe seu comentário