Campo Grande, 01 de abril de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Crônicas

Crônicas • 31 dez, 2019

O rio e o oceano (Gibran K. Gibran)


Diz-se que, momentos antes de um rio cair no oceano ele treme
de medo.
Olha para trás, para toda a jornada, os cumes, as montanhas,
o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos
povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto que entrar
nele nada mais é do que desaparecer para sempre.
Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar.
Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência. Podemos apenas ir em frente.
O rio precisa se arriscar e entrar no oceano.
E somente quando ele entra no oceano é que o medo
desaparece.
Porque apenas então o rio compreende que não se trata de
desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano.
Por um lado é desaparecimento e por outro lado é
renascimento.

Gibran Khalil Gibran


Comentários

  1. Renée Freire disse:

    Conhecia esse poema como sendo do OSHO…

  2. Isabel Menezes Bandeira disse:

    Leio Khalil Gibran desde os meus 18 anos… Tenho 70, continuo a lê-lo e não deixo de me maravilhar com a simplicidade das reflexões dele sobre temas tão complexos.



Deixe seu comentário