Campo Grande, 09/08/2022

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 25 jun, 2022

Imagem e música turbinam as candidaturas


 

TIRO NO PÉ:  A paralização dos ônibus na nossa capital devido ao atraso salarial dos  motoristas (1.200) prejudicará as pretensões de João Rezende (PP), presidente do  Consórcio Guaicurus, pré-candidato à Câmara Federal. Como atrair simpatizantes à sua bandeira corporativista? O clima de descontentamento popular não avaliza tal ousadia.

A PROPÓSITO: No pleito de 2006 o candidato a deputado estadual empresário Sinval Martins (PAN) obteve 9.557 votos mas perdeu a vaga por 151 votos para o novato Marcio Fernandes (PRTB). Apesar do seu bom conceito moral (ex-presidente da Santa Casa) pesou contra o seu cargo de diretor da Viação Jaguar e da ligação com estigmatizado Consórcio Guaicurus. Decepcionado, desistiu de vez.

COMPLICADO: Alguns cargos públicos e atividades profissionais não proporcionam uma imagem positiva, simpática aos seus titulares junto a comunidade.  Neste rol estão aqueles que envolvem relações fiscais/financeiras e os detentores de concessão de serviços públicos como o desgastado setor de transporte urbano. É o clamor do bolso.

MEMÓRIA: Nesses tipos de atividades não há caridade. Tudo é na base do toma lá-da-cá e ponto final. Um professor, a enfermeira ou outro profissional da área da saúde pública  por exemplo, conseguem cativar facilmente um  segmento da população por suas ações   que beneficiam cidadãos anônimos ( do povo).  É assim que funciona.

OPORTUNISTA: Na política é quem aproveita a oportunidade. Mas não é sinônimo de mau caratismo. Sua boa imagem é construída pelos seus préstimos profissionais ou  no  segmento de sua atividade. Induzido por políticos profissionais, é vítima da mosca azul, achando que repetirá o êxito na vida pública. Mas a política é um palco de delírios, sonhos.

DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa (PSDB): presidiu sessão solene homenageando a colônia nordestina com outorga da ‘Comenda Asa Branca’; deu sequência as pautas das sessões ordinárias; prestigiou a inauguração do Hospital Regional de Três Lagoas. Zé Teixeira (PSDB): pede ao Governo a revitalização/duplicação da Av.  Emanuel Pinheiro  (trecho da  MS-147) no Distrito de Culturama; é autor da moção de aplauso ao jornalista Ariosto Mesquita pela sua premiação na mídia do agronegócio.  Lucas de Lima (PDT); seu projeto institui o ‘Dia Estadual do Rasqueado no MS’ a ser comemorado no dia 16 de junho, data de falecimento da cantora Delinha; tem projeto instituindo ensino gratuito da língua inglesa aos profissionais do turismo.  (Marçal Filho) (PSDB): de sua autoria projeto concedendo aos autistas gratuidade no transporte coletivo intermunicipal rodoviário; Governo prepara cadastro para premiar  motoristas sem multas a partir de 2023 em atendimento ao projeto do deputado em 2019. Paulo Duarte (PSB): seu projeto altera a Cavalgada Sul-Mato-Grossense no Calendário de Eventos de Três Lagoas e inclui igual promoção do distrito de Arapuá; estudioso não perde o foco do episódio das lavouras no Pantanal e do escândalo ‘Flex Park’ (estacionamento) na capital.

CAMPANHA: Sem jingle (ou bordão) ela fica sem sabor, chocha. Com vários pretendentes ao Governo espera-se bons trabalhos com polcas, rasqueados e chamamés. Lembro do peso da obra de Renato Teixeira –  ‘Homem de Miranda’ –  nas campanhas  de  Pedrossian. Candidatura vitoriosa deve ter uma bela foto e uma boa música.  Embalagem, moldura do produto. É o marketing!

BOM EXEMPLO: O bordão do jingle musical que cai no gosto popular é fator   favorável. Nas últimas eleições municipais em Costa Rica o candidato vitorioso Cleverson dos Santos (PP) usou o bordão ‘Agora é Tchau!’ onde personagens e políticos adversários eram citados na letra da música que viralizou nas redes sociais e caiu no gosto popular.

CUIDADO!  Parodiando ou não uma música há risco de se pagar indenização pelo  uso. Aliás, o STJ ainda aprecia aquele caso de 2014 envolvendo o candidato Tiririca por usar a música o ‘Portão’, de Roberto e Erasmo Carlos. É preciso atentar ao controvertido  artigo 47 das Lei dos Direitos Autorais que diz: “Livres as paráfrases e paródias que não forem verdadeiras reproduções da obra originária nem lhe implicarem descrédito”.

DESABAFO de um amigo artista da terra sobre o uso de músicas nas campanhas: “Pelas notícias não faltará dinheiro nas eleições. Nada mais justo de que os partidos, através dos candidatos disponibilizem recursos para investir nesta parte da mídia de campanha. A boa qualidade dos jingles e das músicas beneficiará os candidatos com o retorno nas urnas. ”

SAUDOSISMO: A cada eleição ouço a tese de que os pleitos de antigamente eram melhores. Bobagem! Sempre tivemos pretendentes bons e ruins. Alguns patéticos até. Sugiro uma consulta na internet a lista de candidatos de eleições anteriores e comparar sem paixões. A conclusão é de que ‘as coisas mudaram – mas para ficar como estão’.

AÇÕES & DEPUTADO: Neno Razuk  (PL):  tem projeto de lei prevendo atendimento especial em concursos públicos e vestibulares para pessoas com TDAH e dislexia. A proposta segue para CCJR.   Amarildo Cruz (PT): celebra o sucesso do evento de entrega da ‘Comenda Asa Branca’ proposta em parceria com o deputado Paulo Corrêa homenageando a colônia nordestina;  voltou a abordar a política de preços da Petrobras impactando na vida de todos.  Evander Vendramini (PP): propõe o benefício da meia-entrada aos professores da rede pública em estabelecimentos  de lazer e entretenimento; aprovado seu projeto declarando de utilidade pública a Associação de A. Social/Cultural Ebenézer em São Gabriel do Oeste. Mara Caseiro (PSDB): pede reforma da escola estadual em Ponta Porã; requer acesso a tecnologia para expedição de carteira de identidade em Ribas do Rio Pardo; requer ao Estado doação de caminhões de lixo para Caracól. Gerson Claro (PP): presidiu reunião da Comissão de Constituição Justiça e Redação onde 15 matérias receberam parecer favoráveis e duas propostas contra; vem acompanhando as obras de recapeamento e de asfaltamento na região de Sidrolândia e Maracaju.

‘GALOPEIRA’:  Após Flávio Derzi e Oscar Goldoni, agora é Karlos Bernardo que tentará chegar à Câmara Federal. Apadrinhado do ex-deputado Edson Giroto e do ex-governador André Puccinelli com quem visitou várias cidades, o empresário é diretor  executivo da Universidade Central do Paraguai  e já motivaria ciúmes de Waldemir Moka, outro postulante do MDB ao cargo.

A PROPÓSITO:  São cada vez mais visíveis os sinais da participação efetiva do ex-braço direito de Puccinelli nos bastidores da campanha eleitoral. Tal qual o ex-ministro Zé Dirceu na articulação petista, Giroto tem procurado agir com discrição no contato com lideranças interioranas. Mas vez ou outra surgem notícias e fotos na mídia a respeito.

TORRE DE BABEL:  Deve ser coisa combinada. Se Puccinelli não garante espaço a Simone Tebet no palanque do MDB, o ex-ministro Carlos Marun (MDB) e o ex-deputado Junior Mochi desconversam. Não há  preocupação com a situação de Simone. Puccinelli está – como se diz ‘cuidando apenas da própria vida’. Seria a primeira candidatura de Simone órfã, sem padrinho político.

REPAGINADA:  Aos olhos do telespectador a pré-candidata Rose Modesto ( União Brasil) ressurgiu   mais elegante, com maquiagem caprichada inclusive, mas sem perder o charme da fala e sorriso fácil – sua marca registrada. A exemplo de Simone Tebet,  insiste na tecla da inserção da mulher na política e em pautas genéricas. Aguarda-se projetos específicos que motivem debates na campanha.

EDUARDO RIDEL: As avaliações sobre sua postura nesta fase eleitoral  marcadas pelo otimismo crescente.  Claro, correções virão no tempo certo como em outras candidaturas majoritárias. Ouço observações interessantes sobre a capacidade de percepção do pré-candidato, com discurso próprio e disposição física invejável. Já galgou a condição de protagonista nesta ‘peleia’.

DEPUTADOS  & PROPOSTAS:  Pedro Kemp (PT): defendeu o projeto proibindo a eliminação de candidatos além do número de vagas disponíveis em concursos públicos estaduais para possibilitar a formação de quadro reserva de candidatos.  Capitão Contar (PRTB): Otimista com os resultados previsíveis de seu projeto em tramitação que institui a Semana Estadual de Conscientização sobre a Carga Tributária e que envolve vários segmentos da sociedade civil. Antonio Vaz (REP): propõe a criação do programa que visa maior atenção à saúde mental dos conselheiros tutelares e aos profissionais atuantes na área; alerta sobre a conscientização do público jovem sobre a doação de sangue e medula óssea no Estado. Lidio Lopes (Patri): atento as demandas dos municípios do Cone Sul que ele representa, principalmente nas áreas da saúde e obras públicas; participante ativo das sessões ordinárias do legislativo. José C. Barbosa (PSDB): Sua proposta cria o ‘Dia Estadual do Escrivão’ a ser comemorado anualmente em 5 de novembro; pede retomada das obras do ‘Viaduto do DOF’ na BR 163 em Dourados; pede respeito a nomeação do novo reitor da UFGD, desejando-lhe êxito no cargo.

MARQUINHOS: Como era previsível o senador Nelsinho Trad (PSB) não esconde que abraçará a candidatura do seu irmão. O ex-prefeito de Campo Grande prossegue com suas visitas ao interior e ao seu estilo cauteloso demonstra confiança que irá para o segundo turno. As avaliações de suas chances de êxito hoje são favoráveis.

VALE TUDO: Antes era a pichação de muros e locais públicos  com denúncias agressivas contra os candidatos. Agora com a internet e o advento do watsApp a guerra  eleitoral assumiu outros contornos. Embora a lei proíba, os excessos já são notórios. Pelo visto a justiça terá muito trabalho no combate ao pessoal especializado neste tipo de ações. Será um Deus nos acuda.

SURPRESA?  As avaliações nesta fase de pré-candidaturas mostram que em Mato Grosso do Sul o desempenho de Lula poderá superar os números de percentuais obtidos pelo petista nos pleitos anteriores. Não é preciso ser especialista para detectar os fatores responsáveis pelo quadro atual e concluir de que não há surpresa alguma, mesmo em cidades que tradicionalmente o anti-petismo imperava. Portanto…

CENÁRIO:   O país interior está comentando os números da amostra realizada pelo Datafolha confirmando a polarização Lula-Bolsonaro. Os desencontros administrativos do atual governo, a inflação, a Petrobras, os preços dos combustíveis, os escândalos sucessivos  são fatores nacionais que naturalmente estão pesando no eleitor.

NA PRAIA… O desempenho pífio da pré-candidata Simone Tebet (MDB) no Data folha mostra o equívoco da nossa senadora.  Aliás, a mídia nacional também divulgou as declarações dela admitindo que poderá fazer a opção pelo petista Lula num eventual segundo turno. Esses dois fatos relevantes deixam Simone em situação difícil no cenário político de nosso Estado.

Ponto final: Pergunte ao seu filho o que ele quer comer apenas se ele for pagar.

( Fran Lebowitz)

 




Deixe seu comentário