Campo Grande, 20 de setembro de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 12 ago, 2020

‘A política não tem interesse em privatizar’, diz Salim Mattar


Pediu demissão do governo na 3ª feira

Privatização ‘mexe no jogo de interesse’ – Segue apoiando o governo Bolsonaro

Ex-secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercado, Salim Mattar, que deixou o governo na 3ª feira (11.ago)Sérgio Lima/Poder360 – 21.ago.2019

O empresário Salim Mattar, que deixou a secretária de Desestatização e Privatizações do governo Jair Bolsonaro na 3ª feira (11.ago.2020), afirmou que a “a política não tem interesse de privatizar”.

O fato que aconteceu é como o próprio ministro já disse: Quem dita tudo isso é a política. A política não tem interesse de privatizar, por isso que está lento o processo”, disse Mattar em entrevista à CNN Brasil.

Na realidade, a privatização é uma coisa estranha para governo, porque a máquina foi feita para não ser reduzida de tamanho. Isso é normal. Então, quando você vai privatizar, você mexe no jogo de interesses. Então, o establishment não deseja que aconteça privatizações”, afirmou.

O secretário Paulo Uebel (Desburocratização, Gestão e Governo Digital) também deixou o governo na 3ª feira (11.ago). O ministro Paulo Guedes (Economia) chamou as saídas de “debandada e expôs os motivos de Mattar e Uebel deixarem o governo.

O Salim hoje me disse o seguinte: ‘A privatização não está andando, eu prefiro sair’. E o Uebel me disse o seguinte: ‘A reforma administrativa não está sendo enviada, eu prefiro sair’. Esse é o fato, essa é a verdade, eu não escondo”, disse o ministro.

Salim Mattar é 1 dos fundadores da Localiza e foi escolhido para o cargo de secretário em novembro de 2018. Mesmo com a demissão, ele afirmou que não está frustrado com o trabalho realizado no cargo e citou as vendas de subsidiárias e empresas coligadas às estatais, que, segundo ele, renderam R$ 150 bilhões aos cofres públicos.

O empresário afirmou que a lentidão da burocracia estatal dificulta a adaptação da iniciativa privada ao setor público. “O mundo de governo é muito diferente do mundo da iniciativa privada. As lógicas são diferentes, o tempo é diferente. Nós da iniciativa privada normalmente temos dificuldade de nos adaptar ao tempo, à lentidão da burocracia estatal.”, disse.

Um dos exemplos citado por ele sobre essa burocracia foram os correios. Segundo Mattar, a estatal seria vendida entre 60 e 90 dias se fosse uma empresa privada. Mas, por ser uma empresa do estado, esse prazo sobe para 28 meses.

O ex-secretário disse que continua apoiando o governo. “Gostaria de deixar claro é que eu estou deixando o governo, mas não estou deixando de apoiar a pauta do presidente Bolsonaro e do ministro Guedes”, afirmou.

Poder 360




Deixe seu comentário