Campo Grande, 21 de novembro de 2019

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 22 out, 2019

PP ‘flerta’ com lideranças de peso na capital e no interior de MS


O comando regional do partido planeja chegar em 2020 com candidaturas próprias em boa parte dos municípios de Mato Grosso do Sul

Ezequiel (esq) com o deputado Gerson Claro (dir) e Donizete. (Foto: Divulgação)

O comando regional do PP (Partido Progressista) planeja chegar em 2020 com candidaturas próprias em boa parte dos municípios de Mato Grosso do Sul, mas têm algumas ambições em localidades estratégicas, onde, por exemplo, vê grande expectativa de vitória.

Desde que mudou de comando, o partido vem se articulando na tentativa de atrair lideranças de peso tanto na capital quanto no interior.

É certo que Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Corumbá, maiores colégios eleitorais do Estado, têm atenções especiais dos grandes partidos, como o PP, que dispõe de uma das maiores bancadas no Congresso Nacional e desfruta de condições privilegiadas em Mato Grosso do Sul, onde o grupo político conta com boa representatividade na Assembleia Legislativa.

Em fase de reestruturação em seus quadros, depois que os deputados estaduais Evander Vendramini (presidente) e Gerson Claro (vice-presidente) assumiram o controle do partido, antes liderado pelo ex-prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, o PP é visto com bons olhos por prefeitos e vereadores que vislumbram maior espaço político.

Entre uma articulação e outra na Capital e em cidades do interior, o PP vai ampliando o leque de opções, sempre analisando a densidade eleitoral de cada pré-candidato, dentro ou fora do partido, desde que tenha o mesmo  alinhamento político e ideologia partidária semelhante.

Na semana passada,  líderes do PP e do Solidariedade se reuniram para conversar sobre o cenário político atual e discutir às eleições de 2020, quando serão eleitos vereadores e prefeitos nos 79 municípios do Estado.

Participaram do encontro, além de Evander Vendramini e Gerson Claro, o deputado Herculano Borges e o ex-secretário de Estado Marcelo Miglioli, ambos do Solidariedade.

Miglioli, que foi secretário de Infraestrutura no governo Reinaldo Azambuja (PSDB) e disputou o Senado no último pleito eleitoral, já anunciou à imprensa que deseja disputar a prefeitura de Campo Grande no ano que vem.

Particularmente, Gerson Claro prevê a conquista de seis prefeituras nas eleições do ano que vem, embora não revele com detalhes onde o PP tem maiores chances.

INTERIOR

O vereador da Câmara de Sonora, Ezequiel Reginaldo (PSB), por exemplo, está sendo cortejado pelas principais lideranças progressistas que buscam fortalecer o partido conquistando várias prefeituras nas eleições do ano que vem.

Vice-líder na mais recente pesquisa de intenções de votos para prefeito de Sonora, Ezequiel já presidiu a Câmara de Sonora e tem forte ligação  políticas com Gerson Claro e interessa ao PP.

Encomendada pelo site Diário MS News, a pesquisa foi realizada pelo Instituto Ranking em 10 de outubro com 300 eleitores.

De acordo com a metodologia da pesquisa, as entrevistas foram feitas com moradores com base nos mais recentes dados do IBGE 2010, TRE/2019 e histórico político/administrativo.

O intervalo de confiança é de 95% e margem máxima de erro de 4.5 pontos percentuais para mais ou para menos. O Instituto utilizou o método quantitativo.

O Instituto quis saber da população de forma espontânea os nomes que deveriam ser candidatos a prefeito no pleito de 2020.

Nesse quesito, Ezequiel surge em segundo lugar com 11.33% da preferência do eleitorado local, atrás apenas do atual prefeito Enelto Ramos, que tem 17.66%.

Conjuntura On-line – Willans Araújo




Deixe seu comentário