Campo Grande, 12/05/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 16 abr, 2021

Economia da China desacelera e cresce 0,6% no 1º trimestre


No 4ºT de 2020, cresceu 3,2%  –  Ritmo da recuperação é incerto  –  Questões externas atrapalham

No 1º trimestre deste ano, o PIB (Produto Interno Bruto) chinês teve expansão de 0,6%, bem acima do registrado no mesmo período de 2020, quando a pandemia do coronavírus estava no auge no país e a economia encolheu 6,8%Alejandro Luengo (via Unsplash)


16.abr.2021 (sexta-feira) – 4h23
atualizado: 16.abr.2021 (sexta-feira) – 4h58

A economia da China cresceu 18,3% de abril de 2020 a abril de 2021. No 1º trimestre deste ano, o PIB (Produto Interno Bruto) chinês teve expansão de 0,6%, bem acima do registrado no mesmo período de 2020, quando a pandemia da covid-19 estava no auge no país e a economia encolheu 6,8%.

Os dados foram divulgados nessa 5ª feira (15.abr.2021) –6ª feira (16.abr) na China– pelo NBS (Escritório Nacional de Estatísticas).

Em comparação com o último trimestre de 2020, quando cresceu 3,2%, a China desacelerou, o que levantou questões sobre se o país conseguirá sustentar o ritmo de recuperação até o fim deste ano.

Vários setores foram afetados. O crescimento da atividade industrial e da construção, por exemplo, ficou em 1,3% nos 3 primeiros meses do ano, ante 2,3% no 4º trimestre de 2020.

O setor de serviços contraiu 2,3%, depois de expansão de 3,9% no último trimestre de 2020.

O grupo financeiro ING atribuiu a moderação no crescimento da produção industrial à baixa demanda exterior por roupas e  à desaceleração na produção de dispositivos tecnológicos, em parte por causa da escassez global de chips.

Receba a newsletter do Poder360

 

 

Medidas antipoluição mais rigorosas impostas a refinarias também podem ter contribuído para a desaceleração do crescimento das indústrias, apontou o ING.

Por outro lado, as vendas no varejo registraram expansão de 1,8% em março em relação ao mês anterior.

No entanto, analistas apontam que é improvável que a economia da China seja capaz de sustentar o rápido crescimento do 1º trimestre. Em parte porque o governo está reduzindo algumas medidas de estímulo que lançou durante a crise. Mas, também, por conta da escassez de chips, que reduziu radicalmente a produção de carros e equipamentos de computadores em vários países.

Além disso, as relações da China com os Estados Unidos determinam boa parte do comportamento da economia chinesa, principalmente por causa do desenvolvimento de tecnologia.

Desde o governo de Donald Trump, os EUA impõem sanções e restringem as atividades da China em seu território. O atual presidente norte-americano, Joe Biden, já sinalizou que seguirá a mesma linha, o que pode significar ainda mais pressão sobre as empresas chinesas nos próximos meses.

A estimativa do ING é que o PIB chinês tenha expansão de 8,6% em 2021. Isso superaria a meta de crescimento anual de 6% estipulada pelo governo chinês.




Deixe seu comentário