Campo Grande, 27/07/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 31 maio, 2021

As motivações das políticas de isolamento


(Cláudio Henrique de Castro ) –

Em Curitiba, alguns empresários do setor de gastronomia se revoltaram quanto aos
critérios de isolamento da bandeira vermelha, pois está permitida somente a entrega a
domicílio ou no balcão.
Os empresários reclamam que o isolamento é parcial e isso faz com que alguns setores
abram e outros amarguem prejuízos.

Continuam funcionando normalmente as empresas de ônibus e os pedágios, que
possuem faturamentos milionários e que, no passado, financiaram campanhas eleitorais.
Decidir de forma democrática quem abre ou fecha certamente beneficiaria os grupos
mais numerosos, o que não é cientificamente recomendável.
A constatação evidente é que as graves omissões políticas da União fizeram com que o
país chegasse nesse caos.

O isolamento de cidades como Curitiba encontra outros empecilhos, como por
exemplo, a concordância das cidades que compõem a região metropolitana.
Por detrás de tudo, está a economia, que é castigada por uma gestão privatizante que
beneficia os setores rentistas e as grandes corporações.
Esqueceram-se que os pequenos e médios empresários são os que mais empregam.

O ministro Paulo Guedes em reunião ministerial afirmou: não vamos perder dinheiro
salvando pequenas empresas, somente para as grandes (22/05/2020).
O resumo: hospitais superlotados e carência de vacinas.
Os culpados pela negligência na gestão da pandemia estão aparecendo, basta
assistirmos as sessões da CPI da Covid, no Senado Federal.

As grandes empresas deveriam revelar os números de seus empregados
contaminados, por exemplo, do transporte coletivo e das praças de pedágios, dentre outros.
O correto é a Administração Pública expor as razões científicas que permitem abrir ou
fechar determinados setores, e não apenas indicar quem abre e quem fecha.

O princípio da motivação da Administração Pública obriga que se demonstrem os
porquês das suas decisões e, se não o fizer, deve arcar com as indenizações aos setores
prejudicados, inclusive das suas escolhas dos grupos prioritários para as vacinas.




Deixe seu comentário