Campo Grande, 12/05/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 22 abr, 2021

Planos de saúde: João Henrique quer autorização imediata do exame RT-PCR


 

Projeto de lei do deputado João Henrique obriga atendimento imediato ao beneficiário para agilizar processo de detecção da Covid-19

No início deste mês, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)
determinou que os planos de saúde de todo o País estão obrigados a
autorizar, imediatamente, a realização do exame pesquisa por RT-PCR,
utilizado para o diagnóstico da Covid-19. Como se trata de um recurso
importante – e imprescindível – para detecção do coronavírus, o deputado
João Henrique (PL) protocolou hoje, na Assembleia Legislativa de MS, um
projeto de lei que torna obrigatória a autorização imediata destes testes de
covid no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul.

“Está comprovado que este exame oferece muito bom desempenho, já que
tem alto índice de acerto ao diferenciar um paciente infectado do não-
infectado. Ele é considerado o exame ideal para diagnóstico de covid-19.
Se a pessoa tem um plano de saúde é justamente nesta época de pandemia
que ela precisa usufruir dele 100%, por isso é preciso agilizar o processo de
atendimento ao usuário”, explica o deputado.

O exame RT-PCR tem cobertura obrigatória para os beneficiários de planos
de saúde na segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência, conforme
solicitação do médico assistente, para pacientes com Síndrome Gripal (SG)
ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

O projeto de lei é uma norma de proteção ao consumidor e que está contida
nos limites do art. 24, inciso V, da Constituição Federal, que autoriza que a
União, os estados e o Distrito Federal legislem sobre o tema. Além disso,
será considerada abusiva a demora para a autorização, sob pena de colocar
em risco a vida do consumidor.

O descumprimento destas disposições sujeitará o infrator às penalidades
previstas no Código de Defesa do Consumidor, nos termos que dispõem os
arts. 56 e 57, devendo as multas serem estipuladas em regulamentação
própria e revertidas para o Fundo Estadual de Defesa dos Direitos do
Consumidor – FEDDC.

(Juliana Barros | Marinez Benjamin | Cristina Medeiros – Assessoria de
Comunicação – comunicacao.djh@al.ms.gov.br)

Foto – Fernando Hassessian




Deixe seu comentário