Campo Grande, 21 de agosto de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 11 ago, 2018

Mais um risco (Janio de Freitas)


Ou o PT vence a eleição presidencial ou Lula dependerá de Ciro Gomes —por ele rejeitado na hipótese de uma aliança fortíssima— para não ser dado como responsável pela entrega do país à direita mais do que retrógrada. Tal risco está perceptível na perplexidade dos possíveis eleitores anticonservadorismo e, mais ainda, na dos petistas.

Se Lula e o PT cedo se convenceram de um difuso propósito de impedir-lhes a volta ao poder, faltou que se preparassem para essa adversidade. Não faz diferença se assim foi porque Lula não imaginasse a dureza do obstáculo judicial ante seus recursos.

Ou tenha usado a ideia de candidatura como possível razão para tirá-lo da cadeia. Ou que outro motivo o fez bloquear caminhos diferentes. O resultado é a confusa divisão da hierarquia do PT em obedientes passivos e diferentes linhagens de insatisfação. Na ocasião mais inconveniente.

A proposta de ter Ciro Gomes como vice de Lula e o plano frustrado de Jaques Wagner, desejoso de ser o vice de Ciro, são dois dos vários exemplos das alternativas surgidas na cúpula do PT e recusadas por Lula.

Em torno desses insucessos esteve sempre o desconhecimento do que seria, ou deveria ser, a tática formulada por Lula para levar o PT ao êxito eleitoral. As várias sugestões abortadas comprovam o desconhecimento.

A situação dramática que Lula vive na Lava Jato faz com que as insatisfações e apreensões fiquem guardadas em seu território no partido. Mas os reflexos, sob formas que começam no pasmo e não se sabe onde terminam, estão bem à vista. Ao que levam ou não levam, e aonde levam Lula, têm 60 dias para mostrar.

VARIADAS

1 – Geraldo Alckmin e o PSDB continuam desnudando-se. Seu apoio a Fernando Collor para o governo alagoano é voltar à campanha pelo impeachment do então presidente. Mas, agora, do outro lado. E não por excesso de desejo de poder. É falta de outra coisa.

2 – Como mostrado por Mônica Bergamo, ainda rola por aí processo sobre a gravação ilegal, divulgada também ilegalmente por Sergio Moro, de telefonemas entre Marisa Letícia da Silva e outros parentes de Lula. Com tão óbvios culpados, não há o que esperar do processo senão o mais impróprio.

3 – Corrupção bem-sucedida, no grupo de Sérgio Cabral, é a do seu secretário de Saúde, Sérgio Côrtes. Suas aventuras enriquecedoras começaram muito antes do governo Cabral, incluíram até um atentado com feição de mera artimanha, e não causaram problema algum ao autor. Por associação a Cabral, Côrtes ficou preso pouco tempo: Gilmar Mendes soltou-o. Vive em sua valiosa cobertura na Lagoa Rodrigo de Freitas, sem trabalho remunerado, e os gastos de sua mulher criam espantos jornalísticos pelos montantes aqui e no exterior. Côrtes pediu à Justiça autorização para dar atendimento médico a presos. E a Justiça não suspeitou.

4 – Juan Manuel Santos transmitiu o governo da Colômbia sob duras críticas. Fez, no entanto, o que por mais de meio século pareceu impossível: a dissolução das Farc, o movimento que começou como guerrilha libertária, apoderou-se de vasto território e se ligou ao tráfico. Mas Santos fez um governo também de combate à pobreza e ao desemprego. Imperdoável, claro.

5 – Nos carnavais ainda cantam o sucesso de Blecaute: “Chegou o general da banda, chegou (bis) / Mourão, mourão, vara madura que não cai / mourão, mourão, mourão, cutuca por baixo que ele cai”.

*Publicado na Folha de S.Paulo




Deixe seu comentário