Campo Grande, 28 de fevereiro de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 18 jan, 2020

Bolsonaro diz que lançará candidato ao Senado em eleição suplementar do MT


Nova eleição para vaga da Juíza Selma

Partido está recolhendo assinaturas

O presidente Jair Bolsonaro participou neste sábado (18.jan.2020) de evento do partido que está criando, o Aliança pelo Brasil, em Brasília. Na ocasião, ele falou que, “se der tempo”, quer lançar 1 candidato da sigla à vaga do Senado no Mato Grosso, no lugar da Juíza Selma (Podemos), cassada por abuso de poder econômico.

“A 1ª porta nossa seria eleger 1 senador raiz (do) Aliança (pelo Brasil)”, disse, sob aplauso dos presentes. A legenda está realizando eventos em todos os Estados do país para angariar assinaturas a tempo das eleições municipais deste ano –são necessárias pouco menos de 491 mil rubricas válidas até 4 de abril para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) conceder o registro.

A eleição suplementar para preencher a vaga de Selma ainda não tem data marcada, mas deve ocorrer antes de outubro.

Assista ao discurso completo de Bolsonaro no evento (31min11seg):

Bolsonaro falou que, diferentemente do que aconteceu no “partido passado”, em referência ao PSL, vai analisar a vida dos candidatos para “poder confiar”. Disse que algumas pessoas da sua antiga legenda “tinham planos diferentes” dos seus.

O PSL sofreu 1 racha depois de discussão de Bolsonaro com o presidente nacional, o deputado Luciano Bivar (PE). A partir disso, a legenda dividiu-se entre “bivaristas” e “bolsonaristas”, estando estes últimos se preparando para filiar-se ao Aliança pelo Brasil. No discurso, ele lamentou as “decepções, ingratidões, gente que se revela depois que assume o poder”.

O presidente voltou a falar das críticas que tem recebido porque decidiu sancionar os R$ 2 bilhões para o fundo eleitoral. A justificativa é de que poderia cometer crime de responsabilidade caso vetasse uma lei do TSE.

“Algumas coisas eu sanciono contra a minha vontade, algumas coisas eu veto contra a minha vontade também. Mas o Brasil não sou eu, tem os outros Poderes”, disse.

De acordo com o presidente, o Aliança pelo Brasil “não aceitará usar o fundão” e defenderá bandeiras de valores familiares tradicionais, “economia liberal com responsabilidade, livre-comércio, meritocracia, patriotismo” e que “abomine o terrorismo”.

Bolsonaro voltou a dizer que cumpriu seu compromisso de campanha de escolher 1 “ministério isento” e destacou que não sofreu nenhuma denúncia de corrupção. Não é bem assim: os ministros Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Ricardo Salles (Meio Ambiente) estão envolvidos em processos.

Marcelo Álvaro Antônio, é alvo de denúncia do MPMG (Ministério Público de Minas Gerais) por supostamente utilizar candidaturas laranjas para acessar o Fundo Eleitoral em 2018. Já o MPE (Ministério Público Eleitoral) pediu à Justiça a abertura de 1 novo inquérito contra o ministro por caixa 2 em sua campanha para deputado no ano passado.

Já Ricardo Salles foi condenado pela Justiça de São Paulo por improbidade administrativa quando atuou como secretário do Meio Ambiente do Estado. Ele teria fraudado o processo do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê para beneficiar empresas de mineração ligadas à Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo).

Por Letícia Alves – Site Poder 360




Deixe seu comentário