Campo Grande, 11 de agosto de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 01 nov, 2018

Longen é empossado vice-presidente da CNI


Longen diz que a nova diretoria da entidade priorizará investimentos em inovação e levantar a bandeira da  eficiência dos gastos públicos.

Longen completa que esse será um grande desafio que os gestores e legisladores terão nos próximos anos ao aprovarem as reformas que são importantes, como a da Previdência, que é a mudança mais clara de que haverá zelo com o dinheiro público.

Longen completa que esse será um grande desafio que os gestores e legisladores terão nos próximos anos ao aprovarem as reformas que são importantes, como a da Previdência, que é a mudança mais clara de que haverá zelo com o dinheiro público. – Divulgação

 Ao tomar posse como vice-presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria) nesta segunda-feira (30/10), em Brasília (DF), o presidente da Fiems, Sérgio Longen, afirmou que a nova diretoria da entidade que representa a indústria brasileira vai priorizar investimentos em inovação e levantar a bandeira da gestão eficiente dos gastos públicos pelo Governo Federal e Estados com o objetivo de fortalecer a economia do País.

Ele foi empossado durante a reunião mensal do Conselho de Representantes da CNI junto com a chapa eleita em maio deste ano para comandar a confederação no período de 2018 a 2022, encabeçada pelo empresário Robson Braga de Andrade. Indicado por Longen, o diretor da Fiems, Irineu Milanesi, também tomou posse no Conselho Fiscal da CNI.

“A diretoria é nova, mas será mantido o projeto de inovar e ter uma visão de futuro relacionada ao fato de que estamos vivendo a 4ª Revolução Industrial, a Indústria 4.0. O Senai passa por um novo direcionamento e, por meio dos Institutos Senai de Inovação, auxilia empresas de todos os portes com soluções tecnológicas para que possam criar produtos e processos diferentes”, citou Sérgio Longen, lembrando que Mato Grosso do Sul conta com um dos institutos distribuídos pelo País, o ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa), em Três Lagoas (MS).

O Sesi, continuou o presidente da Fiems, também passou por uma reformulação e passou a focar em soluções inovadoras e pesquisa aplicada voltada para a saúde e segurança do trabalhador e novas metodologias de educação. “O Sesi também tem atuado voltado para a Indústria 4.0 e tem Centros de Inovação, inclusive em Campo Grande, para desenvolver modelos inovadores tanto para melhorar a gestão da saúde e segurança do trabalhador, quanto para modernizar a educação regular e de cursos e capacitações para as indústrias”, exemplificou.

Ele também citou que a nova diretoria da CNI assume com grandes expectativas em relação aos próximos quatro anos e como o presidente eleito Jair Bolsonaro, governadores e parlamentares pretendem lidar com o orçamento público. “A classe empresarial adota um modelo muito claro de eficiência na administração dos gastos, que pode servir de exemplo para a gestão pública, uma bandeira que a Fiems vem defendendo há muitos anos”, reforçou.

Longen completa que esse será um grande desafio que os gestores e legisladores terão nos próximos anos ao aprovarem as reformas que são importantes, como a da Previdência, que é a mudança mais clara de que haverá zelo com o dinheiro público. “O eleitor escolheu empresários para governar mais de um Estado, como no Mato Grosso, com o Mauro Mendes, que inclusive foi presidente da Fiemt, e o Romeu Zema, em Minas Gerais, que podem deixar grandes lições para os demais governadores”, disse.

Na mesma linha, o diretor da Fiems empossado conselheiro fiscal da CNI, Irineu Milanesi, falou sobre a importância das pautas para fortalecer a economia. “A economia forte depende de uma indústria forte. Por isso, vamos continuar discutindo as medidas que possam manter a competividade do setor, que contribui para o PIB do país e geração de emprego e renda”, pontuou.

Quando foi eleito, o presidente reeleito da CNI, Robson Braga, também ressaltou que a prioridade de seu mandato será a defesa de temas que considera essenciais para o Brasil. “A Reforma da Previdência e redução da burocracia são urgentes para que o país volte a crescer a abrir novas empresas”, salientou.

A chapa eleita é composta por cinco vice-presidentes executivos, representando cada uma das regiões do País: o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP), Paulo Skaf; o presidente da Federação das Indústrias do Amazonas (FIEAM), Antonio Carlos da Silva; o presidente da Federação das Indústrias da Paraíba (FIEP), Francisco de Assis Gadelha; o membro do Conselho de Representantes da CNI, na qualidade de delegado da Federação das Indústrias de Goiás (FIEG), Paulo Afonso Ferreira; e o presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), Glauco José Côrte.

Confira abaixo a composição da Diretoria e do Conselho Fiscal da CNI para o quadriênio 2018-2022:

DIRETORIA

Presidente – Robson Braga de Andrade

Vice-presidente-executivo – Paulo Antonio Skaf
Vice-presidente-executivo – Antonio Carlos da Silva
Vice-presidente-executivo – Francisco de Assis Benevides Gadelha
Vice-presidente-executivo – Paulo Afonso Ferreira
Vice-presidente-executivo – Glauco José Côrte

Vice-presidente – Sérgio Marcolino Longen
Vice-presidente – Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira
Vice-presidente – Antonio Ricardo Alvarez Alban
Vice-presidente – Gilberto Porcello Petry
Vice-presidente – Olavo Machado Júnior
Vice-presidente – Jandir José Milan
Vice-presidente – Eduardo Prado de Oliveira
Vice-presidente – José Conrado Azevedo Santos
Vice-presidente – Jorge Alberto Vieira Studart Gomes
Vice-presidente – Edson Luiz Campagnolo
Vice-presidente – Leonardo Souza Rogerio de Castro
Vice-presidente – Edilson Baldez das Neves

1º Diretor-financeiro – Jorge Wicks Côrte Real
2º Diretor-financeiro – José Carlos Lyra de Andrade
3º Diretor-financeiro – Alexandre Herculano Coelho de Souza Furlan

1º Diretor-secretário – Amaro Sales de Araújo
2º Diretor-secretário – Antonio José de Moraes Souza Filho
3º Diretor-secretário – Marcelo Thomé da Silva de Almeida

Diretor – Roberto Magno Martins Pires
Diretor – Ricardo Essinger
Diretor – Marcos Guerra
Diretor – Carlos Mariani Bittencourt
Diretor – Pedro Alves de Oliveira
Diretor – Rivaldo Fernandes Neves
Diretor – José Adriano Ribeiro da Silva
Diretor – Jamal Jorge Bittar
Diretor – Roberto Cavalcanti Ribeiro
Diretor – Gustavo Pinto Coelho de Oliveira
Diretor – Julio Augusto Miranda Filho
Diretor – José Henrique Nunes Barreto
Diretor – Nelson Azevedo dos Santos
Diretor – Flávio José Cavalcanti de Azevedo
Diretor – Fernando Cirino Gurgel

CONSELHO FISCAL

Titulares

João Oliveira de Albuquerque
José da Silva Nogueira Filho
Irineu Milanesi

Suplentes

Clerlânio Fernandes de Holanda
Francisco de Sales Alencar
Célio Batista Alves

 




Deixe seu comentário