Campo Grande, 27/07/2021

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 17 jun, 2021

Bebam Água (Ruy Castro)


 

Impossível imaginar Neymar tomando a atitude de Cristiano Ronaldo ao afastar as Coca-Colas

Na segunda-feira (14), em Budapeste, ao chegar à coletiva que antecedia o jogo Hungria x Portugal pela Eurocopa, o craque Cristiano Ronaldo viu duas garrafinhas de Coca-Cola na mesa. Não vacilou: tirou-as de sua frente e botou uma de água no lugar. Pôde-se ouvi-lo em seguida dizendo “Bebam água”. Em 30 minutos, as ações da Coca-Cola caíram 1,4% nas Bolsas, num prejuízo de US$ 4 bilhões. No dia seguinte, Ronaldo fez dois dos três gols da vitória portuguesa e se tornou o maior artilheiro da história da Eurocopa. Pelo visto, não tomar Coca-Cola faz bem.

Foi o que descobri há 15 anos quando, pensando em tomar uma, abri a geladeira, vi que estava em falta e apenas resolvi deixar assim. Até hoje. Foi tão sem alarde que as Bolsas não caíram e a Coca-Cola superou a perda de uma ou duas latinhas por dia. Mas Ronaldo falou para o mundo, estimulando milhões de pessoas a refletir sobre a bebida que há 135 anos leva à obesidade, aos maus hábitos alimentares e à idiotia.

Notar que a Coca-Cola é patrocinadora da Eurocopa, o que torna o gesto de Ronaldo ainda mais notável. Impossível imaginar Neymar fazendo o mesmo —ao contrário, seu estilo de vida arrogante, predador e exibicionista é sinônimo de grifes e cafonices. Mas quero crer que esse estilo, comum a tantos jogadores brasileiros, está nas últimas. O futuro terá muito mais atletas conscientes e comprometidos com as causas nobres.

Cristiano Ronaldo tem 36 anos. Quando ele nasceu, Portugal já se livrara, em 1974, de uma ditadura de 48 anos, durante os quais, por causa do nacionalismo fascista do regime, a Coca-Cola foi proibida no país. Mas o ditador Antonio Salazar não estava preocupado com a saúde do povo. Era para proteger um intragável arremedo nacional, chamado Spur-Cola.

Sei disso porque, em 1973-75, morei em Lisboa a trabalho. E, como ainda gostava de Coca-Cola, tinha de comprá-la na mão do contrabandista. (Blog do Zé Beto)




Deixe seu comentário