Campo Grande, 23/06/2024 07:14

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Brasil

Brasil, Política • 24 ago, 2018

Dólar dispara e venceria no 1° turno


Supervalorizado após a divulgação da última pesquisa Datafolha, o dólar venceria em primeiro turno se as eleições fossem hoje.

“O Mercado, essa entidade, tem mais influência no processo eleitoral que o Comitê de Direitos Humanos da ONU”, lamentou Lula.

Analistas, no entanto, consideram improvável que a moeda americana consiga transferir popularidade para Geraldo Alckmin, o candidato do Mercado.

“Encomendamos uma pesquisa num cenário sem Lula, sem Bolsonaro, Marina, Ciro, Haddad, Boulos e sem Amoêdo. Nem assim o Geraldo ganhava”, explicou, pausadamente, Túlio Pessegueira, o economista-chefe do Fundo Novo de Investimentos.

Nomes fortes do Mercado (essa entidade) se reuniram para traçar um cenário em que a moeda americana governe diretamente o Brasil.

“Chegamos ao máximo do Estado Mínimo: um sistema político sem presidente em que o Dólar governe sem intermediários. Esse negócio de democracia acaba atrapalhando os negócios. O melhor caminho para modernizar o Brasil e trazer a tão sonhada eficiência na administração pública é acabar com a administração pública”, discursou Pessegueira, do Fundo Novo, num palanque. Em seguida, prometeu um IPO para fundar a Nova República.

Comovidos, milhares de brasileiros tomaram a avenida Paulista vestidos de verde para pedir intervenção constitucional do Mercado.

Em frente à Fiesp, foi inflado um imenso George Washington. “Estamos estarrecidos com a possibilidade de um segundo turno com Fernando Haddad. Precisamos comprar dólares visando uma estadia de quatro anos em Miami, mas está custando muito caro. Esse país é uma vergonha, vamos virar uma Venezuela”, disse Laurinda Mourão Pinto, líder do Movimento Vem pra Disney.

Para acalmar novamente o Mercado, essa entidade, Lula estuda redigir uma nova Carta ao Povo Brasileiro.

Ao saber dos planos do ex-presidente, Sergio Moro determinou um bloqueio na carceragem para não deixar passar sequer uma caneta até o final das eleições.

CONTADOR

Estamos trabalhando há 161 dias sem saber quem matou —e quem mandou matar— Marielle Franco.

Por Renato Terra

*Publicado na Folha de S.Paulo




Deixe seu comentário