Campo Grande, 16/04/2024 20:39

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Meio ambiente

Meio ambiente • 23 set, 2023

Agosto foi o mês mais quente da história na terra em 2023, diz agência americana


O mês passado foi o agosto mais quente da história, com vários continentes registrando temperaturas recordes, segundo a NOAA (Agência Americana Oceânica e Atmosférica).

De acordo com os cientistas dos Centros Nacionais de Informação Ambiental da NOAA, a temperatura média global em agosto foi de 1,25°C (ou 2,25 graus Fahrenheit) acima da média do século 20 – o valor foi 0,29°C (0,52°F) acima do registrado em 2016.

Quatro continentes – África, Ásia, América do Norte e América do Sul – tiveram os agostos mais quentes, enquanto a Europa e a Oceania registraram o segundo agosto mais quente. O mês passado também foi o mais quente na região do Ártico.

Sarah Kapnick, cientista-chefe da NOAA, alerta que esses recordes de temperatura estão relacionados com as emissões de gases de efeito estufa.

Pelo quinto mês consecutivo, a temperatura global da superfície do mar atingiu um recorde máximo para o mês e, no geral, agosto de 2023 estabeleceu um recorde para a maior anomalia mensal da temperatura da superfície do mar (+1,85°F ou +1,03°C) de qualquer mês nos 174 anos de existência da NOAA.

A Antártica também teve o quarto mês consecutivo com a menor extensão ou cobertura de gelo marinho já registrada.

Recordes em junho, julho e agosto

De acordo com o Observatório Europeu Copernicus, as temperaturas médias mundiais durante os três meses do verão no Hemisfério Norte (junho, julho e agosto) foram as mais elevadas já registradas, com temperatura média mundial de 16,77°C.

O resultado ficou 0,66°C acima da média no período 1991-2020, que também registrou um aumento das temperaturas médias do planeta devido à mudança climática provocada pela atividade humana. E superior – quase dois décimos – ao recorde anterior de 2019.

Início da primavera no Brasil

O inverno no Brasil se despede nesta sexta-feira (22) seguindo a tendência vista ao longo da semana: muito calor, baixa umidade em alguns locais e termômetros registrando altas temperaturas. A estação, que começou em 21 de junho, termina na madrugada de sábado (23), quando começa a primavera, às 3h50 no horário de Brasília.

O país vive uma onda de calor que deve atingir seu ápice no fim de semana.

A Climatempo alerta que 11 capitais podem bater o recorde de calor para 2023: Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, Campo Grande, Cuiabá, Goiânia, Brasília, Palmas e Teresina. (Com G1)




Deixe seu comentário