Campo Grande, 25/06/2022

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 16 maio, 2022

A abolição da miséria, no país dos banqueiros


(Cláudio Henrique de Castro_ –

Passados 134 anos da Abolição da Escravatura no Brasil, ainda convivemos com o
preconceito e o apartheid social em nosso país.

A pobreza, o desemprego e a miséria são efeitos das políticas neoliberais que pregam
o cada um por si e o “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Resultado da falta de políticas
sociais de distribuição de renda, de bancos ganhando trilhões do governo e captando bilhões
da população, cada vez mais endividada e negativada.

No Brasil de Bolsonaro e aliados, tornou-se um desafio professar uma religião
diferente da do poder, como a Umbanda, o Candomblé, o Espiritismo, o Catolicismo, o
Judaísmo ou o Islamismo.

Estamos num governo que possui “religião oficial”, que indica Ministros para o
Supremo Tribunal Federal com determinado credo religioso, que lança tentáculos em todas as
esferas do poder, em busca de apoio e votos.

O Centrão, esse monstro político, é o grande fiador de tudo isso, que afunda a
economia e os indicadores sociais no Brasil.

Os grotões negacionistas dizem que não há preconceito no país, que é tudo “mimimi”,
e que a vida é assim mesmo.

Cresceram, vertiginosamente, os índices de violência doméstica, violência contra os
idosos, o preconceito contra os negros, a intolerância religiosa, e aumentou, sensivelmente, a
população de miseráveis no país.

O Brasil reingressou no mapa da fome, com 70 milhões em estado de precariedade
alimentar.

Erradicar a miséria é fundamento da Constituição, mas muito pouca gente dá bola para
isso. A renda mínima pode resolver isso, mas não é discutida e nem está na agenda
governamental.

A escravidão continua, com outra roupagem, atualizada, e presente de forma
estrutural.

No Brasil, o lucro dos quatro grandes bancos cresceu 13,6%, não há crise para quem
faturou 24,76 bilhões, apenas no primeiro trimestre de 2022 (Itaú-Unibanco, Bradesco,
Santander e Banco do Brasil).

Debater o 13 de maio significa ouvir a voz e perceber os invisíveis, que são a grande
maioria no Brasil.




Deixe seu comentário