Campo Grande, 25/07/2024 15:13

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 28 out, 2018

Bolsonaro é eleito presidente do Brasil


(Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

Jair Bolsonaro (PSL), de 63 anos, foi eleito neste domingo (28) para comandar o Brasil até 2022. Para conquistar pela primeira vez o cargo mais importante do Executivo nacional, o deputado federal derrotou Fernando Haddad (PT) no segundo turno do pleito.

A vitória foi oficializada pouco depois das 19h20, quando mais de 94% das urnas já haviam sido apuradas e Haddad não tinha mais condições de alcançar Bolsonaro. A vitória confirma todas as pesquisas de intenção de voto, que apontavam Bolsonaro com ampla vantagem sobre Haddad e menor rejeição do que o petista.

No primeiro turno, ele obteve quase 50 milhões de votos e avançou em primeiro lugar para a disputa final. Nascido na cidade de Campinas, no interior de São Paulo, em 21 de março de 1955, Bolsonaro é ex-militar, foi vereador da cidade do Rio de Janeiro de 1989 a 1991 e está em seu sétimo mandato como deputado federal pelo Rio de Janeiro.

Em 2014, recebeu 464.572 votos e o foi candidato mais votado do Estado. A carreira de Bolsonaro como militar começou na Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Depois, se formou na Academia Militar das Agulhas Negras.

Entre 1979 e 1981, ele serviu no 9º Grupo de Artilharia de Campanha, situada na cidade de Nioaque (MS), onde integrou a Brigada de Infantaria Paraquedista. Em 1986, se formou no curso de educação física na Escola de Educação Física do Exército. Três anos mais tarde, liderou um protesto contra os baixos salários dos militares.

Ao infringir o regulamento disciplinar do Exército, ficou preso por 15 dias. No ano seguinte, novos atos de indisciplina ocorreram e foram atribuídos a Bolsonaro e outros militares que foram julgados e inocentados pela Justiça Militar.

Em 1988, foi para a reserva e deu início à carreira política. O anúncio da vitória nas eleições presidenciais foi comemorado com muita festa em frente à casa de Jair Bolsonaro, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Eleitores gritaram, se abraçaram e pularam muito, no meio de fogos de artifício, ao coro de “mito, mito”, como é chamado pelos seus seguidores o candidato à presidência da República pelo PSL.

O Hino Nacional foi entoado pela multidão, que também cantava “Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”. Os dois sentidos da Avenida Lúcio Costa, na beira da praia, foram fechados ao trânsito de veículos, pelo excesso de pessoas, a grande maioria vestida em amarelo, cor que simbolizou a campanha desde o início.

A frente do condomínio foi reforçada com grades de ferro e um efetivo da Polícia Militar, além dos seguranças privados e agentes da Polícia Federal. “A vitória significa a libertação do PT. Significa esperança de uma vida melhor. O país vai trilhar um caminho melhor, com mais ética”, disse o advogado José Brito, presente à comemoração. “Significa o respeito às regras, o que é certo e o que é errado. Espero do governo maior respeito às regras do jogo.

É a iniciativa privada que gera riquezas”, comemorava o também advogado Rodrigo Fonseca. Outro eleitor de Jair Bolsonaro, a aposentada Sônia Liskier, também festejava à porta do condomínio Vivendas da Barra, onde mora Bolsonaro. “Esperança de tempos melhores, com mais emprego, mais segurança.

Eu já tive um revólver apontado para minha cabeça. O governo dele ainda é um ponto de interrogação. Mas tem tudo para resolver os nossos problemas”, disse. Ao longo da tarde, muitas pessoas foram chegando à casa de Bolsonaro.

Entre eles, o economista Paulo Guedes, cotado como ministro, e o ator Alexandre Frota. O filho de Bolsonaro, Eduardo, chegou logo após o final das eleições. O outro filho do candidato, Flavio, já estava na casa desde cedo.




Deixe seu comentário