Campo Grande, 22 de outubro de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 14 out, 2020

Xico Graziano: A importância do ‘boi bombeiro’


 

Gado pode ajudar no combate ao fogo – Bois comem grama que ajuda na propagação

Incêndios florestais em Corumbá teriam começado em grandes propriedades rurais

 

A expressão boi bombeiro” foi cunhada pelo agrônomo Arnildo Pott. Refere-se à função do pastoreio do gado na proteção ecológica. Exatamente o sentido dado pela ministra Tereza Cristina ao falar sobre os incêndios do Pantanal.

Doutor em ecologia vegetal (University of Queensland, Austrália), o gaúcho Arnildo Pott bem conhece o Pantanal. Trabalhou nele durante 28 anos, como pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) em Corumbá (MS). Atualmente professor da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), o estudioso tem reafirmado que, ao rebaixar o pasto, a boiada reduz o “combustível” dos grandes incêndios.

Na ausência de gado bovino, escreveu Arnildo Pott há 20 anos, ocorre “rápida sucessão para gramíneas altas do tipo pristino, morrendo sombreadas ervas prostradas e de menor porte, como Arachis, Bacopa, Burmannia, Polygala, Reimarochloa, Schultesia, Stenandrium, Cyperaceae, Eriocaulaceae, etc. Em fazendas desativadas e reservas tais como a RPPN SESC Pantanal e o Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, a remoção do gado promove sucessão para gramíneas cespitosas e acúmulo de biomassa seca, um difícil desafio ao controle de incêndio.”

O conhecimento sobre a importância do manejo controlado de gado na conservação florestal vem de longe. Vários países utilizam a técnica para proteger áreas naturais ou recompostas. O centenário Instituto Florestal de São Paulo, desde os anos de 1970, se valia do pastoreio de gado para controlar gramíneas no sub-bosque de suas florestas plantadas. Inúmeras publicações científicas embasam esse procedimento.

Recentemente, há estudos científicos que avaliam o efeito da pecuária sobre a recuperação de áreas degradadas, em variados biomas. Em geral, a composição florística entre áreas com e sem gado são semelhantes. Veja essa pesquisa de Luan Fiorentin e outros.

É importante citar trabalhos científicos, publicados e revisados. Somente assim se combate o achismo e, melhor, a maledicência política utilizada para criticar a ministra da Agricultura. Ela não deu uma desculpa esfarrapada. Falou com conhecimento de causa.

Em 2016, deputada federal, Tereza Cristina apresentou um projeto-de-lei (PL 4508/16), para “autorizar o apascentamento de animais em área de reserva legal mediante aprovação de plano de manejo florestal pelo órgão ambiental competente.” Seu objetivo é, exatamente, o controle do volume de massa das forrageiras nativas ou cultivadas nas áreas a serem preservadas segundo o Código Florestal. Atenção: a possibilidade se limitaria ao máximo de 1 (um) animal por hectare, em até 2 (dois) períodos de 3 (três) meses ao ano. Ou seja, não poderia, obviamente, a área virar uma pastagem.

Pecuária regenerativa é o método de criação de gado desenvolvido pelo ecologista zimbabuano Allan Savory, apresentado inclusive como forma de combater a desertificação de territórios áridos. Muito gado, rotacionado em pequenas áreas, enriquece o solo com esterco e impulsiona a vida microbiana. E ainda sequestra Carbono da atmosfera.

Savory, um inusitado fazendeiro africano, defende a gestão holística das pastagens e enfrenta a ortodoxia ecológica que, normalmente, condena a pecuária. Assistir à TED Talks dele, realizada em 2013, surpreende, encanta e anima quem aprecia a evolução das ideias. Dá um banho de água fria nos catastrofistas ambientais.

A ministra Tereza Cristina está sendo criticada por razão política, pelos militantes do esquerdismo verde. Porque na agenda da conservação ambiental, para quem entende do assunto, o boi não é, necessariamente, o vilão.

Pode ser um bom bombeiro.

(Foto de Chico Ribeiro)

Fonte – POder 360




Deixe seu comentário