Campo Grande, 19 de setembro de 2018

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Brasil

Brasil, Cidades • 20 abr, 2018

Países nórdicos promovem debate sobre igualdade de gênero no Brasil


Publicado em 20/04/2018 – 14:06

Por José Romildo – Repórter da Agência Brasil  Brasília

As embaixadas da Suécia, da Noruega, da Finlândia e da Dinamarca lançaram hoje (20) o projeto Diálogos Nórdicos, com a finalidade de incentivar o debate e a troca de experiências para que a sociedade brasileira alcance maior nível de consciência sobre a igualdade de gênero.O projeto terá prosseguimento neste ano com a realização, em várias cidades brasileiras, de debates, exibição de filmes e outras atividades artísticas sobre igualdade de gênero.

Os Diálogos Nórdicos foram lançados na Embaixada da Suécia, que no momento preside o conselho de ministros dos países nórdicos. Segundo o embaixador da Suécia, Per-Arne Hjelmborn, para o país, a questão de igualdade de gênero é “foco relevante de políticas de governo”.

“Cinquenta por cento dos participantes do governo sueco são mulheres e, entre 45% e 50% dos representantes dos países nórdicos (Suécia, Noruega, Dinamarca e Finlândia) no Parlamento são do sexo feminino”, disse Per-Arne Hjelmborn.

O embaixador da Noruega, Nils Martin Gunneng, ressaltou que a sociedade norueguesa tem consciência de que a maior participação das mulheres em setores importantes é fator determinante para o sucesso econômico e político do país. “O cargo de primeiro-ministro na Noruega é ocupado por representante do sexo feminino [Erna Solberg] e outros ministérios importantes, como o das Finanças, também são ocupados por mulheres”, disse Nils Martin Gunneng.

Além dos embaixadores nórdicos, participaram do envento a representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, a diretora de Formação Profissional e Especialização da Escola Nacional de Administração Pública (Enap), Iara Alves, e a professora da Universidade de Brasília Flávia Biroli, que falou sobre Gênero e desigualdades no Brasil.

 

 

No lançamento do projeto, Nadine Gasman destacou que um dos grandes desafios brasileiros é elevar o papel das mulheres, superando as desigualdades. Ela lembrou que, para a Organização das Nações Unidas (ONU), o fortalecimento do papel das mulheres indígenas é um dos temas mais importantes.

 

Nadine mencionou ainda estatísticas segundo as quais, “as mulheres no Brasil estudam mais, trabalham mais e ganham menos”. Além disso, mulheres negras ganham 60% menos que as brancas. Sobre violência, ela afirmou que mais de 4,5 mil mulheres são assassinadas todos os anos no Brasil.

Edição: Nira Foster



Deixe seu comentário