Campo Grande, 25 de setembro de 2020

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 10 ago, 2020

Maia diz que ajudará uma candidatura em 2022 para evitar polarização


Criticou a presença de militares no governo – Defendeu ida para a reserva – Destacou importância do teto de gastos

Maia revelou que vai ajudar na construção de uma candidatura que se apresente como alternativa à polarização PT x BolsonaroSérgio Lima/Poder360 – 8.abr.2019

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, revelou em entrevista ao Estadão que ajudará a construir uma candidatura alternativa à polarização PT x Bolsonaro. Hoje, a eleição presidencial teria Bolsonaro à frente de todos no 1º turno.

“Tenho condições e vou querer ajudar a construir um projeto para 2022. Sem desrespeitar o projeto dos outros, mas temos que construir um ambiente que saia dos extremos e procure defender o que é o certo e o melhor para a sociedade brasileira.”

Também defendeu que se discuta a imposição de 1 limite para a atuação de militares da ativa na estrutura do Executivo. Afirmou que a nova regra poderia valer já na próxima gestão (2023-2026).

“As Forças Armadas estão no Estado. Os gestores públicos, os ministros, o presidente estão no governo. É importante que fique claro que há um muro. Não é algo contra os militares que estão no governo Bolsonaro, mas esse debate vai acontecer, no mínimo, para o próximo governo, para que fique clara essa separação. Quem vem para cá [governo] vai precisar não ter vínculo com o Estado. Quando um militar da ativa entra no governo ele traz parte do Estado e, muitas vezes, pode misturar as coisas, e é importante que a gente consiga organizar isso.”

Disse ainda que vai barrar qualquer tentativa de burlar o teto de gastos, que proíbe o crescimento das despesas acima da inflação. Em live com o economista Renoir Vieira, em 22 de julho, Maia disse que o grande desafio do Brasil no ano que vem é respeitar o limite constitucional.

“Este ano o governo está protegido pela PEC do orçamento de guerra, mas se o governo editar um crédito extraordinário e depois transformar em restos a pagar (para ampliar o espaço para gastar em 2021), aí pode ser uma pedalada”, disse ao Estadão.

Maia criticou o enfrentamento da pandemia pelo governo. Mas isentou o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, de toda a responsabilidade pelas 100 mil mortes atingidas no sábado (8.ago.2020).

“O governo tinha uma proposta tímida para o auxílio emergencial. O Parlamento alterou e o presidente respaldou a decisão de 1 valor maior. O governo foi beneficiado. Nós vamos ficar brigando pela paternidade com 50 milhões, 60 milhões de famílias sem nenhuma renda? O Parlamento não tem estrutura de agência de publicidade.”

No início das negociações para definir o valor do auxílio emergencial, o governo cogitou liberar parcelas de R$200 para a população. “Não podemos jogar para o espaço mais de R$ 110 bilhões que foram gastos agora dessa forma. Isso vai impactar nossa dívida no Tesouro”, disse Bolsonaro à época.

Fonte – Poder 360




Deixe seu comentário