Campo Grande, 19/04/2024 15:32

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 22 fev, 2024

A justiça e Pablo Neruda


(Cláudio Henrique de Castro) –

O Tribunal de apelações de Santiago, Chile determinou a reabertura da
investigação sobre a morte do poeta Pablo Neruda, vencedor do prêmio Nobel de
Literatura de 1971.

Foi revogada a decisão anterior de dezembro de 2023 diante da investigação não
ter esgotado todos os procedimentos para os esclarecimentos dos fatos (pjud.cl).
Há a suspeita de que o Neruda foi envenenado pelo regime de Pinochet.

O motorista de Neruda, o Sr. Manuel Araya, afirmou que em 1973 logo após o
golpe militar que assassinou Salvador Allende, que o poeta recebeu uma injeção letal
dos agentes da junta de Pinochet que entraram, clandestinamente, na Clínica Santa
Maria onde ele estava sendo tratado de um câncer.

O veneno constituía-se da bactéria clostridium botulinum, uma potente
neurotoxina, que talvez teria sido produzida no Brasil.
No Chile, não houve a anistia e nem outros expedientes que garantiram a
impunidade dos componentes e apoiadores do regime autoritário.

A morte do opositor de Pinochet teria sido encomendada pela operação Condor
que foi uma estratégia secreta das ditaduras latinas que envolvia o assassinato dos
líderes políticos do Chile, Brasil, Argentina, Bolívia, Peru, Uruguai e Paraguai.
A operação conectou aparatos repressivos para realizar incursões nos territórios
desses países, na busca conjunta para prender, torturar, assassinar e desaparecer pessoas,
que eram contrárias aos regimes militares do cone sul.

As pessoas eram presas e entregues aos governos estrangeiros, e tudo era feito à
margem da lei. Não havia processo de expulsão, deportação ou extradição. Sem
nenhuma formalização legal, elas foram submetidas a prisões arbitrárias, torturas,
assassinatos e desaparecimentos forçados.

Sobre o tema está sendo produzida uma série TV Operação Condor, em sete
episódios e está sendo rodada desde fevereiro deste ano (ABI).
Investigar a verdade histórica é um dever dos Estados envolvidos, inclusive do
Brasil, apesar da lei de anistia brasileira.

Poderão cortar todas as flores, mas não poderão deter a primavera (Pablo
Neruda).




Deixe seu comentário