Campo Grande, 19/06/2024 18:37

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 11 jan, 2024

Equador em chamas


(Cláudio Henrique de Castro ) –

Com a economia dolarizada o Equador facilitou a lavagem de dinheiro das drogas e o
lucrativo comércio de armas ilegais, pois não há necessidade de legalizar esse dinheiro ilícito.
A privatização dos presídios transferiu o poder do Estado para as organizações
criminosas, resultado, há presídios com piscinas e todo comércio que o dinheiro pode
oferecer.

O encolhimento do pequeno Estado em todos os setores que deveriam compor a
unidade social, dentre outras coisas, transformou o porto de Guayaquil na ponta exportadora
de drogas da Colômbia, do Peru e das adjacências.
Há vinte e dois grupos de crime organizado, inclusive auxiliados pelo tradicional cartel
de Sinaloa.

A experiência neoliberal na privatização da segurança pública deu nisso, uma completa
desagregação e ausência de políticas públicas no setor. Que sirva de exemplo para o Brasil.
O Equador ao lado da Venezuela e Honduras figuram como os três países mais
violentos da América Latina.

O recente decreto 110 do Presidente da República é um exemplo de leis de transição
para acudir um estado incontrolável do crime altamente organizado.
Essa lei pode ser uma referência para o Rio de Janeiro e outras cidades onde as milícias
e as organizações criminosas avançam a cada dia? Silêncio…

O caos gerou a exceção: estão limitados os direitos de liberdade de reunião, trânsito,
inviolabilidade de domicílio e correspondência. Foi declarado tratamento de exceção e
restrição em, praticamente, todos os serviços públicos. Pelo Decreto excepcional, os juízes
anticorrupção poderão julgar os criminosos-terroristas.

Esse laboratório legislativo apaziguará, temporariamente, as tensões no país. Mas a
legislação de exceção do Equador não irá rever a desastrosa privatização dos presídios, nem a
economia dolarizada que o transformou num oásis para a lavagem de dinheiro, nem muito
menos as políticas neoliberais que acabaram com aquela economia em tão curto espaço de
tempo.

O fato é que na guerra contra as drogas, está ausente a discussão da dependência
química e dos consumidores desse mercado, que cresce mais que qualquer PIB de país
desenvolvido.

Exemplo disto é a explosão no consumo das drogas químico-sintéticas nos EUA.
Atuar contra as poderosas organizações criminosas que se transformaram em
multinacionais, é uma tarefa que ainda não conta com uma legislação ágil e eficaz para
desbaratar esses empreendimentos.

Diferente de outras legislações, a América Latina ainda se perde entre a criminalização
de usuários, mulas e os criminosos da ponta do negócio, e a benevolência aos donos do narco.




Deixe seu comentário