Campo Grande, 05/03/2024 04:02

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Artigos

Artigos • 30 dez, 2023

Roberto Brandt: O que pensar de 2024


“Em janeiro de 2023, os cérebros do mercado financeiro divulgaram suas previsões para o fim do ano. Como de costume, erraram bastante”

O poeta Drummond dizia que o último dia do ano não é o último dia do tempo. O tempo continua indiferente em seu curso e não faz sequer uma pausa para celebrar a sua passagem na contagem dos homens. 2024 está chegando com suas esperanças, suas interrogações e suas incertezas e nosso instinto humano está sempre caindo na tentação de antecipar o que virá.

Mesmo assim, as pessoas continuam insistindo em fazer previsões. Em janeiro de 2023, os cérebros do mercado financeiro, reunidos no consórcio de previsões denominado Boletim Focus, que orienta o Banco Central do Brasil na sua avaliação sobre o andamento da economia, divulgaram suas previsões para o fim do ano. Como de costume, erraram bastante.

Em janeiro, previram que o PIB brasileiro cresceria 0,78% no ano; o crescimento que está sendo apurado na prática deve atingir 3%. Previram que o dólar chegaria no fim do ano a R$ 5,28, quando seu valor fechará em R$ 4,90. A inflação prevista seria de 5,36%, mas vai fechar em 4,46%. Apesar da distância entre o previsto e o verificado, este pessoal continua fazendo previsões e o Banco Central parece que continua se apoiando nelas.

Somadas todas as coisas, temos que concluir que a economia andou melhor do que se esperava. O agronegócio e a mineração continuaram em expansão e os pesados gastos fiscais contratados em 2022 por meio de duas Emendas Constitucionais – a PEC Kamicaze e a PEC da Transição – ambas autorizando a violação do Teto de Gastos, uma norma constitucional que salvou o país do desastre econômico de 2014/2016, turbinaram a economia. Estas duas PECs, afora suas consequências fiscais, inauguraram uma nova fase de banalização do texto constitucionnal.

A Constituição passou a ser reformada a qualquer pretexto, muitas vezes para permitir a violação das leis, por meio de ritos sumários nos quais as votações se fazem à distância, por celulares, em meio a um Plenário vazio. Parlamento em home-office é a nossa mais nova jabuticaba.

O governo Lula não vai se sentir confortável com um crescimento mais baixo, até porque seus índices de aprovação estão estagnados, mesmo diante de uma economia que cresceu muito. Para mudar isso vai precisar muito do Congresso.

O modo como o Congresso está funcionando, particularmente a Câmara, sem Plenário e com a maioria das matérias decididas pelos líderes partidários, sob o comando forte dos seus presidentes, torna a escolha das futuras mesas uma questão de vida ou morte, para os parlamentares e para o governo. O processo eleitoral será fatalmente antecipado e vai influenciar as votações mais importantes. O governo Lula até o momento tem poucas condições de ter protagonismo decisivo no processo e poderá tornar-se um refém sem ter quem o resgate.

Do ponto de vista das expectativas do mercado financeiro, que até quando estão erradas influenciam os fatos da economia, uma outra sucessão tem grande importância. No fim do ano, o governo Lula vai nomear o novo presidente e dois diretores do Banco Central, assumindo total controle da política monetária. O processo de escolha será fatalmente politizado e será impossível impedir que ele seja também antecipado. PT versus mercado será um filme emocionante.

Entre uma coisa e outra teremos as eleições municipais. Não me arrisco a fazer previsões, pela consciência de que a vida real é muito complexa para o nosso entendimento. Mas não tenho receio de antecipar que o ano de 2024 terá poucos momentos de monotonia.

Fonte – O Estado de Minas




Deixe seu comentário