Campo Grande, 21/04/2024 23:24

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Brasil

Brasil • 30 maio, 2018

Pesquisa telefônica Datafolha: 87% a favor de paralisação de caminhoneiros


Para 56%, protestos devem continuar

Maioria diz ser contra mais impostos

 

A crise dos combustíveis provocada pelos bloqueios dos caminhoneiros entra no 10º diaSérgio Lima/Poder360 – 24.mai.2018


30.maio.2018 (quarta-feira) – 7h38
atualizado: 30.maio.2018 (quarta-feira) – 8h57

Pesquisa realizada por meio telefônico pelo Datafolha e divulgada nesta 4ª feira (30.mai.2018) revela que 87% da população apoia a paralisação dos caminhoneiros e 56% defendem a sua continuidade.

Apesar desse grande apoio, a maioria dos entrevistados disse não estar disposta a pagar a conta que o governo federal aceitou receber dos manifestantes para tentar encerrar os protestos.

Para realizar o levantamento, o instituto ouviu 1.500 pessoas na 3ª feira (29.mai), por meio de ligações telefônicas. A margem de erro do levantamento é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

De acordo com a pesquisa telefônica do Datafolha, 87% são a favoráveis aos protestos, 10% são contrários, enquanto 2% se dizem indiferentes e 1% não souberam opinar. O resultado é o mesmo quando o instituto questiona se a população é a favor ou contra os os cortes no orçamento e/ou aumento de impostos para atender às reivindicações.

Ainda, segundo a pesquisa, 56% dos entrevistados acham que a paralisação deve seguir. Já 42% dos entrevistados são contra e 2% não souberam responder.

A origem da paralisação de caminhoneiros é o preço do diesel regulado pela Petrobras, que desde julho de 2017, acompanha a variação internacional do combustível. De lá para cá, os preços dos combustíveis subiram em torno de 30%.

NEGOCIAÇÃO

A avaliação sobre a condução da negociação entre o governo Michel Temer e os caminhoneiros também foi alvo da sondagem: 77% desaprovaram, 16% acham que foi regular, 6% aprovaram e 1% não souberam avaliar.

Para 96%, Temer demorou para negociar, contra 3% que consideram que o presidente o fez no momento correto.




Deixe seu comentário