Campo Grande, 19/07/2024 06:02

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Política

Política • 15 set, 2022

Candidatos de todo o país gastaram R$ 6,6 bi em 30 dias de campanha


O país tem 29.256 pedidos de candidaturas, o que representa uma despesa média, até esta quarta (14), de R$ 226 mil por concorrente

.( R 7 ) – Os candidatos de todo o Brasil nas eleições deste ano gastaram R$ 6,6 bilhões durante os primeiros 30 dias de campanha eleitoral. Considerando que o país tem 29.256 pedidos de candidaturas (leia mais abaixo), a média de despesa de cada concorrente é de R$ 226.828.

O levantamento do R7, com base nos números divulgados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), considera o intervalo entre o primeiro dia de campanha (16 de agosto) e esta quarta-feira (14).

O total de despesas pagas é de R$ 6.636.085.496,64, mas os candidatos têm ainda outros R$ 2,7 bilhões para desembolsar, uma vez que o total de despesas contratadas, até então, é de R$ 9.388.108.783,73.

Com relação ao total gasto nas eleições de 2018, o montante destes primeiros 30 dias já ultrapassa em R$ 1 bilhão o total investido naquele pleito, quando as despesas dos 29.085 candidatos chegaram a R$ 5.622.736.282,43.

O valor do Fundo Eleitoral disponibilizado para este pleito é de R$ 4,9 bilhões, que foram disponibilizados pelo Tesouro Nacional. O montante foi distribuído entre os 32 partidos registrados no TSE com base em critérios específicos.

A quantia é menor do que os R$ 6,6 bi já gastos pelos candidatos, mas é preciso lembrar que há ainda outras formas de financiamento, como explica ao R7 o presidente da Comissão de Direito Eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional do Distrito Federal (OAB-DF), Miguel Dunshee.

“Além do Fundo Eleitoral, há o Fundo Partidário e as doações avulsas. Essa é a lógica atual. Como a doação de pessoa jurídica não é mais permitida, passou-se a autorizar o financiamento público. Por isso, é possível ver agora o crescimento de doação de pessoas físicas”, afirma Dunshee, acrescentando que a alteração, iniciada no pleito de 2016, causou “uma mudança drástica do ponto de vista político e eleitoral”.

De acordo com o presidente da comissão, o valor do Fundo Eleitoral destinado ao candidato varia em relação ao cargo, ao turno e até ao estado pelo qual ele concorre.




Deixe seu comentário