Campo Grande, 10/12/2023 07:28

Blog do Manoel Afonso

Opinião e atitude no Mato Grosso do Sul

Brasil

Brasil • 18 abr, 2018

A Lava Jato e o transtorno bipolar do New York Times


por Marcos Troyjo

O sociólogo francês Pierre Bourdieu, citado por Edmund White em “O Flâneur – Um Passeio pelos Paradoxos de Paris”, indica que “a opinião dos estrangeiros é um pouco como o julgamento da posteridade”.

A ideia aqui é que apenas o distanciamento —marca de quem observa o desenrolar dos fatos de um mirante longínquo— possibilita uma perspectiva realmente objetiva.

Aos participantes de uma mesma trama nacional tal intervalo espacial não existe, e, portanto, apenas o tempo pode contribuir para delineamentos históricos mais apurados.

Essa suposta avaliação objetiva e a dimensão global de um veículo jornalístico em língua inglesa de grande tradição projetam o enorme alcance do jornal The New York Times.

Tais atributos apenas aumentam a responsabilidade da direção do jornal, sobretudo no momento em que expressam a posição da casa por meio de editoriais.

Se esse é o caso, então os milhões de leitores do diário nova-iorquino foram brindados na última quinta-feira (12) com uma desagradável constatação.

Num editorial intitulado “Lula está preso, e a democracia do Brasil, em perigo”, o NYT oferece exemplo marcante do que uma opinião de jornal não deve ser: contraditória, superficial, confusa.

O texto, claro, trata da ascensão e da queda do ex-presidente Lula, faz alguns elogios à Operação Lava Jato e ao juiz Sergio Moro e busca examinar o caminho do Brasil até as eleições presidenciais de outubro.

Nessa avaliação, o editorial do NYT comete uma série de equívocos imperdoáveis. Alguns exageram o quão sensível é o quadro político-institucional brasileiro e confundem causa e efeito das atribulações por que atravessa o país.

É certo que as falas do Ministro do Supremo Tribunal Federal Luis Roberto Barroso e de Moro, em seminário na Escola de Direito de Harvard na última segunda (16) —ambos ressaltando a pujança da democracia no Brasil—, tiveram como pano de fundo esse editorial do NYT.

Não é para menos. O título já é redondamente errado. Ele permite supor uma conexão imediata entre Lula atrás das grades e riscos à democracia brasileira. Ora, é bem o inverso. Com a prisão de poderosos, a democracia sai fortalecida.

Logo no primeiro parágrafo, o editorial declara que “quando uma onda anticorrupção varre o político mais popular do país, a justiça é servida, mas a democracia é testada”.

Talvez seja o oposto. Dado o longo histórico de morosidade e manobras protelatórias das instâncias jurídicas no Brasil, é no julgamento e na prisão de poderosos culpados que a Justiça é testada, e a democracia, servida.

Num período adiante, a opinião do New York Times estabelece que a Lava Jato “desferiu um duro golpe na corrupção, mas também desestabilizou o sistema político brasileiro e ajudou a empurrar o país à recessão e deixou milhares de desempregados”.

Bem, chacoalhar o sistema político no Brasil, tradicionalmente alimentado por favoritismo, clientelismo e compadrio, é um movimento que deve ser saudado— na medida em que fortalece as instituições e o mérito, e consolida o Estado de Direito.

Além disso, atribuir à Lava Jato coautoria na dramática recessão e elevado desemprego a que o país foi arremessado representa uma tremenda confusão entre doença e cura, origem e consequência. Não foi a Operação que contribuiu para levar o Brasil à pior recessão de sua história, mas muitos dos males que ela combate.

O editorial também aponta, deve-se notar, várias observações corretas, como “o Congresso brasileiro, por si só, não apoia a luta anticorrupção”.

Ou ainda: “o Brasil de fato dispõe das instituições e meios para enfrentar até os mais poderosos —e populares— malfeitores”.

Numa outra passagem, porém, o NYT outra vez se presta à confusão. O editorial sugere: “em que pese todo o sucesso da Lava Jato, nada foi feito para concertar o sistema jurídico. O perigo de uma guinada ao populismo e à radicalização política é óbvio”.

Nesse aspecto, é claro que uma reforma do Judiciário seria bem-vinda. Aqui, contudo, o NYT parece endossar a exótica tese de que um dos efeitos colaterais da Lava Jato é conduzir o país a um maior risco do populismo e intolerância política. Ora, não é justamente o contrário?

Conclusão: mesmo as mais veneráveis instituições do jornalismo internacional podem ter seus dias de transtorno bipolar.

Marcos Troyjo

Diplomata, economista e cientista social, é diretor do BRICLab da Universidade Columbia

*Publicado na Folha de S.Paulo


Um Comentário

  1. Ary disse:

    “…o NYT oferece exemplo marcante do que uma opinião de jornal não deve ser: contraditória, superficial, confusa.”

    Vindo de um lacaio da Folha só pode ser piada!



Deixe seu comentário